A Desilusão de Deus (The God Delusion)

The God Delusion, de Richard Dawkins, ou em português A Desilusão de Deus publicado na editora Casa das Letras.

Um livro que me mostrou que é possivel argumentar racionalmente contra a crença religiosa e supersticiosa. Um livro que não deixa lugar para palavras ou argumentos baseados em trocadilhos ou interpretações incorrectas de teorias muito válidas. Como por exemplo, o FACTO da evolução.

De forma magistralmente bem argumentada, Dawkins mostra-nos como a mente religiosa perturba a sociedade actual e como nos impede de ser unos uns com os outros. A cima de tudo, o autor apela a um elevar da nossa consciência e mostra-nos através de exemplos como a nossa consciência é muito limitada inclusivé para questões práticas banais.

Não seria importante imprimir de vez em quando mapas do mundo com o polo Sul na parte de cima para nos relembrarmos que o hemisfério Norte não é o centro do mundo e que de modo algum fica para cima? Foi só um exemplo.

Dawkins batalha incesantemente na atrocidade que é a doutrinação de uma criança desde a sua nascença. Entupimos as nossos pequenos com crenças e mais superstições, ensinando-lhes o que pensar e não como pensar. Isto certamente deve ser combatido! Inclusivé, é apresentado um caso de uma rapariga que após ser molestada aos 7 anos de idade continuava a ter mais pesadelos com o Inferno a que pudesse ir parar após a sua morte do que por ter sido molestada. Felizmente, essa outrora criança é agora uma mulher sensata que conseguiu sair literalmente dessa prisão Infernal e ajuda outras pessoas a fazer o mesmo!

O que escrevi a cima nem sequer chega a um mini-resumo muitíssimo pobre do que é o livro. É seguramente um livro para todos os públicos, desde ateus a religiosos. Onde a posição do autor é, sem margem para dúvidas, uma posição de combate ao pensamento religioso.

A baixo ficam os títulos principais dos capitulos, traduzi-os diractamente do meu indice em inglês. Possivelmente a versão em português poderá ter uma tradução ligeiramente diferente. Os capitulos subdividem-se em subcapitulos com titulos mais especificos dentro do tema.

Capítulo 1 – Um profundo religioso não-crente

Capítulo 2 – A Hipotese de Deus

Capítulo 3 – Os Argumentos para a Existência de Deus

Capítulo 4 – O porquê de quase certamente não existir Deus

Capítulo 5 – As Raízes da Religião

Capítulo 6 – As Raízes da Moralidade: porque é que somos bons.

Capítulo 7 – O livro do ‘bem’ e a emergente moral Zeitgeist

Capítulo 8 – O que está mal com a religião? Porquê ser tão hostil?

Capítulo 9 – Infância, abuso e o escapar da religião.

Capítulo 10 – Uma lacuna muito necessária.

“Não é suficiente ver que um jardim é bonito sem ter de acreditar que existem fadas por de baixo dele?” – Douglas Adams (1952-2001)

3 Responses to A Desilusão de Deus (The God Delusion)

  1. Bush Fought the Iraq War by the Bible and Look What Happened

    By Grant Lawrence

    “Have I not commanded you? Be strong and courageous. Do not be terrified; do not be discouraged, for the LORD your God will be with you wherever you go.”
    Included in intelligence updates Rumsfeld gave to President Bush during the Iraq War so that his resolve to kill wouldn’t waiver.

    Well I don’t know about you. But having to give your President Bible scriptures to keep his resolve to keep killing seems somehow Unchristian.

    But then I gave up on being Christian awhile back. It wasn’t Jesus that turned me off so much as it was Christians like Bush.

    I really couldn’t understand how lying and cheating your neighbors in business and supporting an unjustified war to kill innocents was very Christian. Yet, there I was having to listen to my fundamentalist friends go on and on about how capitalism is God’s way of making us free and how Bush was doing the “Will of God.”

    If you believed all of the things those true Bible believers tell you about God then you would likely come to hate God. Fortunately, I never believed them because I read the New Testament many times and I read how Jesus told us to “Turn the Other Cheek” and to “Love” each other. Somehow killing Iraqis for oil didn’t seem like a Loving God would condone that.

    Still there is another lesson in the story of Bush fighting wars by the Bible.

    Just look how that war came out.

    It was a bloody mess. It made America hated by nearly everyone in the world and we are still there today trying to occupy that country while keeping some type of order.

    Fighting the war by the Holy Book didn’t appear to be a good idea. It would have been better for President Bush to use some good judgment and a bit of heart as a leader rather than to try to fit a war into the pages of the Bible.

    This is probably a good life lesson for believers and non believers. Don’t expect one book to give you all the answers. God, if you believe in God, or nature has given us a brain with the ability to reason. Fortunately, most of us were given some human feeling and it is always a good idea to apply that when dealing with human problems.

    Humans always want others to do the thinking for them. Even the President, a supposed leader, decided that a book or some other authority was going to give him the answers. But as history teaches us over and over, if we want a better life and a better world then we have to make good choices based a lot of awareness and proper judgment.

    The tragedy of the Bush years and the killing of over 1,000,000 people is that not only did our leaders abandon common sense but so did many Americans.

    A book, a talking head, or a supposed leader are not going to be able to give us all of the answers. Instead we have to do something adults are supposed to do and that is think for ourselves.

  2. Jean diz:

    A existência de Deus é uma necessidade lógica já que não existem comprovação alguma que o nada e a simples interação da matéria possa criar inteligência. No âmbito da vida biológica, partindo da idéia oriunda das próprias ciências naturais, é fato que x gera x: Cães geram cães, ratos geram ratos, humanos geram humanos. No campo da tecnologia apenas inteligência gera inteligência. É mais racional acreditar que a vida inteligente tenha sido projetada por algo, mesmo que não se admita ser esse algo Deus. Ainda assim o problema persiste eternamente. O nascimento do universo é um fato confirmado pela radiação de fundo existente no espaço e por sua própria expansão. Se ele começa em um determinado ponto, não é eterno, o que refuta qualquer esperança de crescente evolução porque em tempo eterno os estágios de evolução já teriam se esgotado, mas alguns acham que esse argumento não faz sentido. Outra coisa que não faz sentido é crer que o universo seja eterno e não-causado e que a organização seja uma tendência progressiva. É justamente o oposto. O universo foi causado, logo, terá fim – a entropia mostra como a energia tende a tonnar-se inutilizável, ou “morrer” se preferir pôr assim e esse “morrer” é uma desorganização entrópica. As coisas não progridem por natureza, declinam. O resultado de um experimento que compreendesse um conhecimento que não temos condições de analisar a partir do observável (o que é perfeitamente possível a nível quântico, por exemplo) seria indistingüível de magia. Mesmo que não se admite a idéia que aquilo que se chama comumente de “Deus” tenha gerado a vida na Terra, em algum ponto o cosmos teve que ser causado por alguma coisa ou alguém, e se esta coisa não é “Deus” ainda assim uma inteligência era necessária para organizar o resultado desse tal fenômeno para alguma direção que não fosse a natural entropia. Assim sendo, mesmo que a idéia de um “Deus Criador” possa não ser tão crível a olhos céticos, ainda há a questão do “Deus Organizador” enquanto inteligência não-natural. A existência de um “Deus” (e aqui uso essa palavra por me faltar algo melhor) é uma necessidade lógica, seja ele Criador ou Moldador/Organizador, e portanto cai na categoria lógica conhecida como Verdade Necessária (não podendo ser refutada por qualquer um que tenha o mínimo de bom senso). Há aqueles que partilham da idéia de que Deus não apenas organizou mas criou o fenômeno que deu princípio ao universo. A questão nesse ponto passa a ser se Deus teria ou não uma inteligência moral (o que é bastante provável haja visto que a inteligência humana – única que conhecemos como parâmetro de comparação – também o possui, seja ela produto direto da criação oriunda de Deus ou uma “criação terceirizada”, produzida por outros seres inteligentes também criados por Deus) que supomos ser produto direto ou indireto do mesmo e seria eterno ou não (o que tem uma maior possibilidade haja visto que a entropia pode ser revertida pela inteligência – a nível micro e macroscópico com intervenções constantes – daí a crença cristã que Deus não apenas cria, mas sustenta o universo).
    No referente ao Cristianismo é um assunto complicado de tratar haja visto as conspirações do catoliscismo romano terem maculado as crenças fundamentais a ponto de torná-lo uma instituição com a finalidade de manipulação social e lucro e há N visões histórica a respeito de como ocorreu. Mas Deus existe. E se ele possui uma natureza moral esta ficou impressa na configuração de nossa inteligência (tanto que o córtex orbitofrontal é conhecido por ser a área mais desenvolvida do cérebro humano e é justamente correspondente ao raciocínio moral). Se temos impressa em nossa inteligência noções de moral mais elevadas do que comumente praticamos ou ela é falsa, o que não parece muito provável – mesmo porque considero difícil pensar que toda a raça humana consciente em todas as épocas sofra de paranóia – algo está errado conosco por conta de alguma espécie de entropia a nível de consciência a que os cristãos chamam pecado.
    Sobre a natureza do ateísmo, recomendo que leia:

    http://neoateismodelirio.wordpress.com/2010/02/25/estariam-esses-pais-neo-ateus-impondo-terror-psicologico-aos-filhos

    http://dovaniano.blogspot.com/2010/03/ateismo-e-um-problema-moral.html

    http://www.apologia.com.br/?p=73

    Particularmente, eu lhe recomendaria uma conduta mais agnóstica ao invés do ateísmo. Nunca entendi bem porque os ateus tendem a tentar provar que Deus não existe. Se não acreditam nele, pra que tanta dor de cabeça?

  3. Francisco Jorge - Biólogo diz:

    Naõ existe ateu, somente o desejo de ser ateu, Assim como acreditar em Deus é um ato

    de fé. não acreditar nele também o é, A lógica é a mesma, só se muda o cenário e os

    atores. Parabéns para Richard Dawkins pela sua crença, mas o titulo seria mais abran-

    jente se fosse ¨ The God Ilusion ¨.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: