Programados para a sobrevivencia

És um homem primitivo na savana. Ves algo mexer-se pelo canto do olho. Assumes que é uma hiena. Se correres, sobrevives. Se assumes que é apenas o vento e enganas-te, morres. Temos os génes daqueles que correram, estamos genéticamente programados para acreditar em coisas das quais não conseguimos ver.

Gill Grissom (CSI Las Vegas, “Go to Hell”, Season 8 )

Reservas de ouro, segredos do Fed e feudalismo financeiro

Que bela forma de começar a semana 🙂 e não estou a ser irónico

Directamente da MRA Alliance chega-nos esta opinião (http://www.lawrei.eu/MRA_Alliance/?p=3460).

Heis o título: “Opinião: Reservas de ouro, segredos do Fed e feudalismo financeiro

Aos poucos os filmes vão passando a realidade e o que outrora foi teoria agora passa à prática. Será que podemos ficar indiferentes?

A notícia está directamente relacionada com alguns documentários que já foram aqui postados (que nunca custa relembrar):

Money as Debt
America: Freedom to Fascism
Zeitgeist, Addendum
Zeitgeist, O Filme

Ler mais deste artigo

Biologia Molecular do DNA – Envolver e Replicar (VIDEO)

Ao passar pelo Atheist Movies dei de caras com este clip. Não resisti a transcrever para aqui.

O filme mostra por animção computacional como o ADN é replicado (copiado) no núcleo celular das nossas células.
Aparecem também imagens reais da devisão celular.

A maquinaria molecular que leva a cabo esta operação é estonteante. A velocidade a que o processo ocorre e a complexidade de movimentos é astronómica. Ainda mais se tivermos em consideração que tudo isto se passa no interior de uma célula onde todo o seu conteúdo está ‘atafulhado’ lá dentro e muitos outros processos ocorrem mesmo ao lado.

Possivelmente este tipo de animações computarizadas seja o futuro do ensino. A junção dos livros de texto e das novas animações gráficas torna o estudo da ciência muito mais rápido e certamente ainda mais apelativo, ou pelo menos capaz de alcançar um público maior. Imaginem como seria se em vez do Telejornal nos presentear com as transferências do Vitória de Guimarães ou do Olhanense no mostrasse uma animação como esta? Acredito que a visão das pessoas alargar-se-ia. O blog Plus Demain dá especial destaque este tipo de investigação.

Para quem está mais dentro do tema, não há dúvida que o futuro das nanomáquinas passa pela compreensão e pelo estudo das maquinaria natural. Talvez um dia possamos nós desenvolver completamente este tipo de maquinaria molecular. Fica aqui um nome de referência: David S. GoodSell.

À procura de Darwin – episódio 2.

explosm-evolution-t-shirtBoas,

Apesar desta série ter o objectivo de ser diária é por vezes muito difícil de manter a assiduidade..

Começámos a quinta-feira passada com uma breve introdução aos órgãos vestigiais. Vou hoje aprofundar um pouco mais o tema com mais alguns exemplos.

Ao longo dos tempos, conforme a selecção natural actuava sobre o nosso ”primitivo” corpo, certas características deixaram de ser necessárias tendo por isso desaparecido. Contudo, alguns sinais destas características podem ainda ser visíveis nos nossos corpos. É a este tipo de características que designamos de vestigiais.

Ler mais deste artigo

Hora do Planeta

No dia 31 de Março de 2007,  em Sydney, Austrália, às 20:30 2 milhões de cidadãos desligaram as luzes durante uma hora, começando assim um protesto unificado no combate ao aquecimento global: “Hora do Planeta – Hora para o nosso planeta”. Um ano depois a 29 de Março, as luzes foram desligadas por mais de 50 milhões de pessoas em cerca de 375 cidades em todo o mundo (incluíndo instituições publicas e empresas). Este ano comemora-se a dia 28, ou seja hoje, às 20:30 no Continente e na Madeira, 19:30 nos Açores apela-se ao maior número de pessoas para que apaguem todos os aparelhos electrónicos e todas as luzes desnecessárias durante uma hora.

Hora essa que será compartilhada com várias instituições e entidades públicas. A nível nacional, vários monumentos vão estar apagados, caso do Palácio de Belem, o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém ou até mesmo o Cristo Rei.

Mas nem todos concordam com esta iniciativa. Bjorn Lomborg, director do think-tank Centro de Consenso de Copenhaga, escreveu um artigo no jornal The Australian criticando a Hora do Planeta. “Mesmo se mil milhões de pessoas apaguem as suas luzes no sábado [hoje] o evento será o equivalente à China parar com as suas emissões por apenas seis segundos”, indicou este dinamarquês.

Mas a iniciativa conta também com apoios importantes, como o do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. “A Hora do Planeta é uma forma de os cidadãos do mundo enviarem uma mensagem clara. Eles querem acção em relação às mudanças climáticas”, disse num vídeo no YouTube. As novas tecnologias foram essenciais para passar a mensagem. Segundo o site earthhour.org, a rede social da Hora do Planeta tem 1,1 milhões de pessoas e a cada 0,8 segundos é visto o vídeo da iniciativa.

À Procura de Darwin – episódio 1.

Boas,

Os nossos posts mais visto neste Blog são, de longe, os posts relacionados com a evolução das espécies e Darwin. Num comentário a ‘Parabéns Charles Robert Darwin‘, Luana disse que o que aqui publicamos não acrescenta nada de novo ao que já por ai se fala. Concordo, acho que os pontos mais pertinentes não são mesmo focados por norma.

Para tentar preencher esta falha decidi, a partir de hoje, levar a cabo uma série de posts onde tentarei deixar no ar questões pertinentes sobre, exactamente, o confronto Criacionismo e Evolução.

Espero acrescentar assim nova informação  ao que já é maioritariamente públicado e sabido, que, por vezes, é esquecida neste tipo de conversas.

Ler mais deste artigo

Construindo um Cérebro num chip de silício

Um 'smart' chip: Cientistas na Europa estão a usar técnicas convencionais de produção de chips para criar circuitos que copiem a estrutura e função de um cérebro humano. Este protótipo inicial tem apenas 384 neurónios e 100.000 sinapses, mas as últimas versões contêm 200.000 neurónios e 50 milhões de sinapses. Crédito: Karlheinz Meier.

Boas,

Ora aqui vai a tomada do café depois do almoço.
Cheguei ao pc e vi que no diário da Kurzweil.AI estava esta notícia.

Foi desenvolvido um super chip informático, pela equipe de Karlheinz Meier do projecto FACETS.

Ora muito brevemente, o chip pretende simular o modo como o nosso cérebro funciona. Ou seja, pretende funcionar de um modo paralelo, em vez de em série.

Eu não sei muito de circuitos, mas pelo que nos disse a Dr. Taylor um dos nossos hemisférios funciona de um modo paralelo enquanto que o outro funciona em modo série. Não confirmei esta informação para além desta fonte.

Um chip informático a funcionar de um modo completamente paralelo permitirá simulações de forma muito mais rápida que o próprio cérebro.

Um dos objectivos do chip era possibilitar o estudo do funcionamento do cérebro.. no entanto.. “Ele é mais uma plataforma para inteligência artificial do que uma forma de compreender a biologia” – Markram.

Ora aqui ficam algumas retóricas para vos meter ‘medo’.

Ora já vimos que os robots estão cada vez mais próximos de nós a nível físico. E agora? Será que tipo de chips irá revolucionar a sua inteligência?

Será que vai ser mesmo possível criar um chip que simule na integra um cérebro humano? Será que um sistema em paralelo irá criar na inteligência artificial novas formas de cálculo e capacidade mental?

Umas das coisa que nós humanos somos capazes e que é bastante difícil para um computador é por exemplo distinguir dois caracteres iguais mas escritos com tipos de letra diferentes. Será que uma arquitectura ‘mental’ em paralelo irá permitir que uma faceta como esta se torne banal para um computador?

E podemos avançar mais um pouco e arriscar a perguntar se um chip que simule na perfeição um cérebro humano poderia gerar consciência.

Uma vez mais acho que este tipo de experiências e invenções vão fazer-nos repensar, uma vez mais, a nossa percepção da realidade.

Desculpem não ser mais extenso no meu comentário, mas estou no café pós almoço 🙂

Abraços

Até que enfim que alguem teve bom senso…

Cabeça de cão viva sem corpo. Rivêndo animais mortos.

O filme que se seguem a baixo pode ser chocante, tanto no seu conteúdo de imagem como, e talvez até mais, naquilo que representa.

O filme relata experiências soviéticas levadas a cabo pelo Dr. S.S. Bryukhonenko, na década de 30’s no Instituto de Fisiologia e Terapia Experimental na U.R.S.S.. O filme é relatado pelo Biólogo J.B.S. Haldane). Num pequeno resumo, o filme relata como orgão caninos, coração e pulmões foram perfundidos e mantidos vivos fora do corpo original. O relato passa depois para uma parte mais chocante onde uma cabeça de cão é mantida viva por alimentação artificial. Na parte final do filme, é relatado como um cão, após 10 minutos morto é devolto à vida por infusão de sangue.

Ler mais deste artigo

Nós somos vírus???

Esta noite deu um documentário na RTP2 com o nome de Caçadores de Vírus, que falava em como os vírus nos afectam e são importante no nosso dia a dia.

Antes demais vou explicar por alto o que é um vírus. Nem todos os vírus são maus para nós, os vírus existem em tudo o que nos rodeia, tocamos ou interagimos, quando nos falam de vírus lembramo-nos logo do vírus da gripe ou do HIV. Muitos deles são inofensivos e só afectam certos grupos de animais. Os vírus são básicamente estruturas proteicas que dependem das células para se multiplicarem, são por isso de tamanho muito inferior a uma célula. Existe ainda uma grande controvérsia sobre se os vírus serão sistemas vivos ou não pois não possuem um metabolismo próprio.
Os vírus são então transportados de alguma forma para as células compatíveis com o próprio vírus (contacto, inalação, ingestão ou através do sangue), aí estes injectam na célula hospedeira parte do seu genoma (RNA ou DNA) e enzimas virais, que, aproveitando a maquinaria celular extra, formam novos vírus que depois se espalham novamente pelo corpo, proliferando assim pelo organismo. A célula geralmente é destruida mas há casos em que isso não acontece.

Ler mais deste artigo

Palavrinha

Foto por João Caetano Dias - Panoramio.com

Olá a todos,

Não vim postar nada em concreto mas senti a necessidade de dar uma palavrinha (já há muito tempo que não postava). O tempo nem sempre dá e sou capaz de ficar apagado durante uns tempos, espero que o resto da malta preencha a minha falha =P

Dia 15 foi o dia Mundial do Movimento Zeitgeist. Passou o dia e não postámos nada relacionado, não foi por desleixo. Sempre foi, e espero que continue a ser, regra deste blog postar-se apenas depois de se conhecer aquilo que se posta. Afinal isto não é um site de copy+paste de notícias, é um fórum de discussão, pelo que se espera sempre um comentário do autor do post. E claro do pessoal que nos acompanha, temos gostado imenso de discutir convosco.
Ler mais deste artigo

O que é o Conhecimento?

Conhecimento

Neste argumento vou apresentar a minha reflexão sobre o conhecimento, que tenho vindo a estudar, vou dividi-lo por partes, pois tornou-se um estudo bastante complexo e diversificado, por isso não quero criar um discurso excessivamente prolixo.

O que é o conhecimento? Muitos de nós utilizamos vezes sem conta este termo e o seu conceito está bem presente no nosso quotidiano. O conhecimento é o facto mais banal e misterioso, muitas pessoas, mesmo instruídas, acumulam durante toda a sua vida um número infinito de conhecimentos sem nunca reflectirem sobre o próprio acto de conhecer. O facto de, por vezes, não existirem respostas claras para uma dada situação, ou as ideias sobre ela se desdobrarem em múltiplas teorias, leva-nos necessariamente a perguntar pelos fundamentos e limites do conhecimento. Será possível conhecer? Haverá verdade no conhecimento? De facto, todos nós temos uma opinião sobre algo que traduzimos em conhecimento, mas teremos nós a certeza desse conhecimento ser verdadeiro? Ler mais deste artigo

Sustainability

CyberPunk: ficção ou realidade?

O CyberPunk é uma corrente literária e cinematográfica cujo foque incide numa sociedade avançada a nível tecnológico (Cyber), com as tendências de degradação social e pessoal assim como a marginalização existentes na cultura Punk.

As tendências CyberPunk tiveram uma grande expressão durante os anos oitenta e noventa do século passado onde a cultura Punk emergiu de forma exponencial e era mostrada ao mais alto nível nos meios de comunicação, bem como a aparição de várias drogas e degradação pessoal que surge com o uso de substancias ilícitas como estas. A juntar-se a isto houve um “boom” tecnológico que previa de grande exactidão as ideias Cyberpunk existentes anteriormente.

No cinema esta tendência cultural tem grande expressão nos líderes de bilheteira, filmes como Blade Runner, a trilogia de Matrix, A Clockwork Orange e Metropolis são os maiores exemplos de Filmes CyberPunk.

Hoje em dia o Japão é considerado como sendo o primeiro pais CyberPunk, conotação essa que advém sobretudo porque um dos impulsionadores do CyberPunk é mesmo os livros Manga e os filmes Anime. Exemplos disso são os filmes de animação como Tron, Akira, Aeon Flux, Tetsuo 1 e 2, Cowboy beebop e muito provavelmente os vários filmes e séries de animação Ghost In The Shell serão os maiores exemplos de cultura CyberPunk.

A literatura foi muito provavelmente o berço do Cyberpunk. Os livros de William Gibson (Neuromancer, Count Zero e MonaLisa Overdrive); Philip K. Dick (Do Androids Dream of Electric Sheep? que mais tarde viria a ser fonte para o filme Blade Runner) e George Orwell (Nineteen Eighty-Four). Este ultímo, Nineteen Eighty-Four data de 1949 o que demonstra o grande visionamento do futuro destes autores.

Ler mais deste artigo

‘Teoria da Mente’ pode explicar crença em Deus

Imagem Genérica (fMRI)

Imagem Genérica (fMRI)

Uma das áreas de científicas que me fascina mais pesquisar e saber é a investigação das zonas cerebrais responsáveis pelo nosso comportamento e actividade motora. Por outras palavras, o mapeamento do cérebro.

Uma técnica que tem revolucionado o mundo científico, especialmente nesta área, é a Imagem de Ressonância Magnética (MRI), em particular a sua vertente funcional (fMRI). Esta técnica permite-nos ver, em tempo real, as zonas do cérebro que estão activas quando se pede ao paciente para desempenhar uma determinada função. Posto isto, vamos ao que interessa.

Ler mais deste artigo