Porque é que os Cientistas não Temem o Inferno?

E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. Apocalipse 20:14 Bíblia

Um Fogo foi preparado para os infiéis, cujo combustível são homens e pedras. 2:24 Corão

Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus. Salmos 9:17 Bíblia

Os descrentes serão queimados com Fogo. 2:39, 90 Corão

A língua também é um fogo; como mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno. Tiago 3:6 Bíblia

Aqueles que morrem na descrença irão para sempre arder no Fogo. 2:217 Corão

E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. Mateus 5:30 Bíblia

Aqueles que casarem com infiéis irão arder no Fogo. 2:221 Corão

E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno. Mateus 18:9 Bíblia

Aqueles que não acreditam serão vencidos e reunidos no Inferno. 3:12 Corão

E, se o teu pé te escandalizar, corta-o; melhor é para ti entrares coxo na vida do que, tendo dois pés, seres lançado no inferno, no fogo que nunca se apaga Marcos 9:45 Bíblia

O Fogo está preparado para os infiéis. 3:131 Corão

Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei. Lucas 12:5 Bíblia

E agora oiçam o que o bom senso e o método científico têm para dizer sobre o fogo:

“Se alguém nos diz que vamos arder no inferno e demonstrarmos exactamente o que o fogo é, eu garanto-vos que vos dirão que o fogo no inferno não é como o fogo normal. Que as chamas não necessitam de combustível ou oxigénio ou electrões ou fotões. Dizem-nos que é fogo mágico.”

“A religião apenas existe porque a maioria das crianças acreditam na magia e porque todos os adultos já foram crianças. Bem vindos à religião organizada, onde tudo não significa nada e onde nada significa tudo. Onde o conhecimento é ignorância e onde respostas apenas nos levam à confusão” – philhellenes

A religião organizada irá lavar o vosso cérebro e condicionar-vos irremediavelmente.

Galeria de imagens sobre o inferno:

Giordano Bruno – Queimado vivo pela igreja católica em 1600, usando chamas reais, presumivelmente porque temiam que Deus fizesse um trabalho desleixado.

Philhellenes – Queimado na outra noite por um pedaço de queijo, e sempre feliz por não viver em 1600.

Mas o que é o fogo?

O fogo é uma reacção química requerendo 3 componentes, um gás oxidante tal como oxigénio, uma fonte combustível, como madeira ou gasolina e uma fonte de energia suficiente para aquecer o combustivel até à sua temperatura de ignição. Esta energia pode provir de fósforos, luz solar, fricção, relâmpagos, ou de outra coisa que já está a arder. Quando a madeira, por exemplo, é aquecida até 150 ºC o material celulósico começa a decompor-se e a soltar gases voláteis. Quando este gases atingem 260ºC a energia calorífica ultrapassa alguma da energia electromagnética ligando os átomos às moléculas complexas encontradas na madeira. As moléculas começam a oscilar e a entrar em rotura. Isto liberta fumo, um composto gasoso composto principalmente por átomos de hidrogénio, carbono e oxigénio. Estes átomos brevemente livres são depois quase repentinamente e violentamente atraídos entre si novamente por forças electromagnéticas. Como resultado combinam-se átomos de hidrogénio e carbono com átomos de oxigénio ansiosos por partilhar 1 ou 2 electrões desemparelhados que tenham. Esta reconfiguração ocorre quase instantaneamente.

O fogo é essencialmente uma breve e fugaz liberdade química em que átomos e moléculas se rearranjam rapidamente nas forma menos energéticas e portanto mais estáveis que for possível.

Mas a história deste vídeo não acaba aqui…

Este vídeo foi marcado como inapropriado para o youtube por vários utilizadores. Só que fez-se justiça pois a administração do site reconheceu a injustiça após ter apagado o vídeo. Hoje o autor encoraja todos os que queiram, a copiar e a fazer upload para os seus próprios canais deste vídeo intitulado “Why Don’t Scientists Fear Hell?”.

É curioso que este vídeo tenha merecido uma reacção tão violenta dos fanáticos, sociopatas, censores religiosos dos nossos dias acima de tantos outros.

Por isso é que dá mais gozo ao seu autor e também a mim que seja promovido, apreciado e aplaudido por quem o saiba apreciar🙂

“É uma prova de base de mentes fracas para um querer pensar com massas e a maioria, meramente porque a maioria é a maioria. A verdade não muda por ela ser ou não acreditada pela maioria das pessoas.”

Aqui fica mais um vídeo do mesmo autor, posso dizer que apresenta ideias poderosas:

referências:

http://www.youtube.com/user/philhellenes

http://www.evilbible.com/

http://skepticsannotatedbible.com/quran/cruelty/long.html

http://www.bibliaonline.com.br/acf/s/*/inferno

Bíblia

Sobre Roger Marques
Passionate gamer, curious scientist, novice surfer, lvl 3 martial artist, also a budding game designer.

38 Responses to Porque é que os Cientistas não Temem o Inferno?

  1. Mats diz:

    “Cientistas” ou “ateus?

    Existem milhentos cientistas que sabem que op inferno existe.

    Para ser mais factual, tu deverias ter como título:

    “Porquê os cientistas ATEUS não temem o inferno”

  2. rpfm diz:

    “Existem milhentos cientistas que sabem que o inferno existe.”

    Quando um cientista pode provar que algo existe, ele acredita nesse algo. Nomeia-me um só cientista que tenha provado que o inferno exista, para além de acreditar nesse inferno.

    Só se entendes por cientista ateu um cientista não-judeu, não-cristão e não-muçulmano, não-hindu, etc.

    Nem o papa anterior acreditava no inferno e manifestou-o publicamente. E o actual contradisse o anterior:

    In the words of Pope John Paul II, “The images of hell that Sacred Scripture presents to us must be correctly interpreted. They show the complete frustration and emptiness of life without God. Rather than a place, Hell indicates the state of those who freely and definitively separate themselves from God, the source of all life and joy”.[47] Pope Benedict XVI, a theologian, stated that “Hell really exists and is eternal”

    Nem todos os cientistas têm uma visão do mundo inteiramente baseada na evidência, mas a excepção confirma a regra.

  3. Mats diz:

    “Existem milhentos cientistas que sabem que o inferno existe.”

    Quando um cientista pode provar que algo existe, ele acredita nesse algo. Nomeia-me um só cientista que tenha provado que o inferno exista, para além de acreditar nesse inferno.

    Mas eu não disse que havia um cientista que tinha “provado” que inferno existe. Eu disse que há muitos cientistas que sabem que inferno existe. O teu título enganador porque parece indicar quer TODOS os cientistas duvidam da realidade do inferno.

    São os ateus que não acreditam no inferno. e não os “cientistas”

  4. Mats diz:

    Nem todos os cientistas têm uma visão do mundo inteiramente baseada na evidência, mas a excepção confirma a regra.

    A regra é: existem cientistas que são cristãos embora a maioria não seja.

  5. jmct diz:

    Desculpem intrometer-me. Mas, neste caso tenho de dar a razão ao Mats. Ele ganhou no argumento. eheh.

    É verdade há cientistas que são cristãos, que acreditam em Deus e talvez no Inferno. No entanto, percentagem deles em relação aos ateus é muito reduzida.

    Há cientistas que vêm a natureza como a criação de Deus e estudam-na a partir daí.

    Só uma coisa Mats, não concordo que digas “há cientistas que SABEM que o inferno existe”. Dá a sensação que o Inferno existe mesmo. Quer exista quer não, temos de por ambas a possibilidades até o experiênciar-mos. Eu não acredito no inferno, tu acreditas, mas nenhum dos dois pode dizer que ele existe ou não com toda a certeza, pois não conhecemos tudo. Nós nem sequer conseguimos dizer se vivemos numa Matrix ou não😀 na volta até somos uma experiência num tubo de ensaio dum ET qualquer. Eheh.

    Segundo a giria comum, eu sou ateu, mas já não sou militante. Já fui, mas agora já não sou. Agora tento apenas reger-me pelos principios básicos da vida, aqueles que são comuns a todos os seres humanos e também a muitos animais.

    Quer eu seja ateu ou cristão, vou precisar de comer, de amar e de ser amado, de me rir e conviver, é nisso que eu acredito. Tudo o resto para mim são superficialidades.

    Tentar provar que Deus existe ou não existe, ou fechar-se numa ideia porque é aquilo que acreditamos, acho que estas atitudes são simplesmente prisões que metemos na nossa vida. O homem deve ser livre, e independente de tudo e de todos, só assim poderá apenas amar e não ter medo. O homem nunca deve deixar que lhe ensinem, deve, por outro lado, estar sempre capaz de aprender com tudo.

    Abraços

  6. Mats diz:

    É verdade há cientistas que são cristãos, que acreditam em Deus e talvez no Inferno. No entanto, percentagem deles em relação aos ateus é muito reduzida.

    Eu diria, não reduzida, mas menor.

    Há cientistas que vêm a natureza como a criação de Deus e estudam-na a partir daí.

    Foi isso que serviu de base para a revolução científica:

    History shows that the natural sciences grew out of Christian culture. As the sociologist Rodney Stark has so convincingly shown (See especially For the Glory of God: How Monotheism Led to Reformations, Science, Witch-Hunts, and the End of Slavery), science was “still-born” in the great civilizations of the ancient world, except in Christian civilization.

    Longe de ser um inimigo da ciência, o cristianismo é a cama ideológica onde a ciência descansa, e ao mesmo tempo o motor propulsor da mesma.

    Só uma coisa Mats, não concordo que digas “há cientistas que SABEM que o inferno existe”. Dá a sensação que o Inferno existe mesmo.

    Mas o inferno existe mesmo.

    Quer exista quer não, temos de por ambas a possibilidades até o experiênciar-mos.

    Não é necessário nós experimentarmos alguma coisa para saber se ela é real ou não. Eu nunca estive num campo de concentração nazi, mas sei que foi terrível. Como é que eu sei? Porque tenho testemunhos fiáveis, evidências conclusivas, e observações confirmatórias. O mesmo se passa com o inferno. Temos o Testemunho do Criador, evidências conclusivas (que incluem testemunhos de pessoas que já lá foram e foram trazidas de volta)

    Quer eu seja ateu ou cristão, vou precisar de comer, de amar e de ser amado, de me rir e conviver, é nisso que eu acredito.

    Se Deus não existe, quem disse que o ser humano precisa de amar e ser amado? Quem disse que o amor é algo que todos nós precisamos?
    Numa visão cristã, faz sentido procurar e dar o amor, mas numa visão ateísta, não faz sentido nenhum. O que tu dizes contradiz o teu ateísmo, mas fazes bem em viver assim.

  7. rpfm diz:

    “Se Deus não existe, quem disse que o ser humano precisa de amar e ser amado? Quem disse que o amor é algo que todos nós precisamos?
    Numa visão cristã, faz sentido procurar e dar o amor, mas numa visão ateísta, não faz sentido nenhum. O que tu dizes contradiz o teu ateísmo, mas fazes bem em viver assim.”

    Tens uma visão extremamente básica e infantil do comportamento humano.

    Então se Deus não existisse, não haveriam razões para não matarmos e não roubarmos?

    Tenho medo de pessoas como tu, porque se vocês perderem a vossa fé têm o risco de se tornar em pessoas perigosas. O Bible Belt dos estados unidos é um dos locais mais violentos desse país. Pessoas fanáticas a perder a sua fé é uma coisa perigosa para a sociedade.

    Perderem a fé é perigoso para eles porque não conseguem encontram nada real para dar sentido às suas vidas e tornam-se perigosos para a sociedade.

    Se tu dizes que o inferno existe, isso não é porque consegues provar que existe, é porque acreditas que existe. São duas coisas diferentes.

    Quem acredita cegamente nas suas fontes (Bíblia) acaba por acreditar incondicionalmente em certas coisas (inferno).

  8. Mats diz:

    Então se Deus não existisse, não haveriam razões para não matarmos e não roubarmos?

    Haveria tantas razões para matar como para não matar, uma vez que, na falta de Um Ponto de Referência Absoluto para a moral (Deus), todos os comportamentos morais são igualmente válidos. Tu pessoalmente podes procurar dar amor e receber amor (e fazes bem) mas o facto de tu escolheres esse caminho para a tua vida, não implica que é esse o caminho que todos nós devemos seguir. Pode haver ateus que prefiram dar ódio e só receber amor. Se Deus não existe, e como todos nós somos moralmente humanos e ao mesmo nível, como é que o ateísmo demove alguém de dar ódio? São escolhas pessoais e como Deus supostamente não existe, todas as escolhas pessoais são igualmente válidas.

    Tenho medo de pessoas como tu, porque se vocês perderem a vossa fé têm o risco de se tornar em pessoas perigosas.

    Sim, se eu me tornar num ateu posso mais facilmente justificar comportamentos violentos como “adaptações evolutivas”, e como tal entendo o teu medo de um ateu ex-cristão.

    O Bible Belt dos estados unidos é um dos locais mais violentos desse país. Pessoas fanáticas a perder a sua fé é uma coisa perigosa para a sociedade.

    Mas como supostamente Deus não existe, não há problemas em ser violento para com a sociedade. A moral é decidida por cada indivíduo.

    Se tu dizes que o inferno existe, isso não é porque consegues provar que existe, é porque acreditas que existe. São duas coisas diferentes.

    Mas eu não preciso de “provar” algo para saber que existe. Eu deduzo que existe devido à preponderância de evidências, tal como um juiz deduz que um homem é o assassino de outro devido à força das evidências.

  9. rpfm diz:

    “Mas como supostamente Deus não existe, não há problemas em ser violento para com a sociedade. A moral é decidida por cada indivíduo.”

    Se as piranhas se matassem umas às outras não existiriam hoje, piranhas.

    Vais me dizer que as piranhas não se matam umas às outras porque acreditam em Deus?

    Tens de investigar sobre a regra de ouro (Golden Rule) para deixares de acreditar nessas histórias infantis de que só és bom porque Deus existe.
    Tens de arranjar maneira de seres um membro beneficial para a sociedade independentemente disso.

  10. jmct diz:

    Mats, penso que o facto de a revolução cientista se ter dado em cristãos é porque simplesmente naquela altura toda a gente era crente. É uma questão de probabilidades.

    Não concordo com a Referência Absoluta de Moral (Deus). Aliás discordo completamente. Eu sempre fui ateu, os meus pais não me deram educação religiosa, mas deram-me educação, e eu nunca andei aí a bater em ninguém. Não sou para julgar ninguém, mas acho que usar Deus como desculpa para ser bom é bastante ‘interceiro’. Como alguém que faz uma coisa à espera de outra.

    A resposta para a pergunta o que nos leva a ser bons e humanos é “Neo Córtex”.

    “Numa visão cristã, faz sentido procurar e dar o amor, mas numa visão ateísta, não faz sentido nenhum.” – estas foram as tuas palavras Mats. eu agora pergunto-te. Se deixasses de acreditar em Deus, matavas a tua familia?

    eu coloco tudo a cima de Deus por isso a ausência de um Deus não é razão para eu mudar em nada a minha vida.

    Estou a gostar desta discussão. Muito sinceramente acho que tens um preconceito com os ateus. Repara que eu não estou a aqui a dizer que deus não existe, estou apenas a analisar a atitude humana, nada mais.

    Abraços

  11. Mats diz:

    “Mas como supostamente Deus não existe, não há problemas em ser violento para com a sociedade. A moral é decidida por cada indivíduo.”

    Se as piranhas se matassem umas às outras não existiriam hoje, piranhas.

    Seres humanos não são piranhas, e o canibalismo acontece no mundo animal. Como acontece no mundo animal, e como supostamente nós somos “animais” resultado da evolução, então não há problemas com o canibalismo.

    Vais me dizer que as piranhas não se matam umas às outras porque acreditam em Deus?

    Estás por tanto a dizer que o ser humano não deve atacar a sociedade porque as piranhas não se comem umas as outras?

    Tens de investigar sobre a regra de ouro (Golden Rule) para deixares de acreditar nessas histórias infantis de que só és bom porque Deus existe.

    1. Quem disse que eu devo seguir a Golden Rule?
    2. Quem disse que eu sou bom?

    Tens de arranjar maneira de seres um membro beneficial para a sociedade independentemente disso.

    Porque é que tenho de ser um membro beneficial para a sociedade?

  12. Mats diz:

    Mats, penso que o facto de a revolução cientista se ter dado em cristãos é porque simplesmente naquela altura toda a gente era crente. É uma questão de probabilidades.

    Toda a gente era muçulmano no Médio Oriente, mas a revolução científica não aconteceu lá. Porquê?
    O que estás a fazer a inverter o foco do livro acima mencionado. Tu dizes algo como “A ciência progrediu na europa, que, por acaso, era onde havia mais cristianismo”. O que eu digo é “A ciência progrediu na europa POR CAUSA do visão judaico-cristã”.

    Não concordo com a Referência Absoluta de Moral (Deus). Aliás discordo completamente. Eu sempre fui ateu, os meus pais não me deram educação religiosa, mas deram-me educação, e eu nunca andei aí a bater em ninguém.

    Eu raramente chamo nomes pessoais a ateus. O meu foco é na ideologia e não na pessoa. Semelhantemente, eu não digo que os ateus são todos uns possuídos demoníacos que andam por aí. O que eu digo é que o ateísmo não justifica as boas acções que os ateus fazem.

    Não sou para julgar ninguém, mas acho que usar Deus como desculpa para ser bom é bastante ‘interceiro’. Como alguém que faz uma coisa à espera de outra.

    Se Deus não existe, não há problemas em ser interesseiro.

    “Numa visão cristã, faz sentido procurar e dar o amor, mas numa visão ateísta, não faz sentido nenhum.” – estas foram as tuas palavras Mats. eu agora pergunto-te. Se deixasses de acreditar em Deus, matavas a tua familia?

    Provavelmente não. No entanto, eu nunca disse que se acreditas no Deus da Bíblia, tu vais ser um anjo. O que eu digo é que o ateísmo dá lugar a qualquer tipo de comportamento moral, devido à falta de Uma Referência Moral Absoluta.

    eu coloco tudo a cima de Deus por isso a ausência de um Deus não é razão para eu mudar em nada a minha vida.

    Tens todo o direito de ter as tuas opiniões, mas elas são vinculativas À tua pessoa. Outro ateu pode pensar de outro modo.

    Estou a gostar desta discussão. Muito sinceramente acho que tens um preconceito com os ateus.

    Só estou a mostrar as consequências do ateísmo.

  13. rpfm diz:

    “Seres humanos não são piranhas, e o canibalismo acontece no mundo animal. Como acontece no mundo animal, e como supostamente nós somos “animais” resultado da evolução, então não há problemas com o canibalismo.”

    Se uma piranha virasse canibal achas que ela iria viver muito tempo?

    “Estás por tanto a dizer que o ser humano não deve atacar a sociedade porque as piranhas não se comem umas as outras?”

    Se todos os humanos fossem psicopatas assassinos não estaríamos a ter hoje esta conversa. Nem sequer existíamos porque estavamos extintos.

    “Porque é que tenho de ser um membro beneficial para a sociedade?”

    Se fores um membro detrimental para a sociedade, tornas-te detrimental para ti. Porque tu também te inseres na sociedade.

  14. rpfm diz:

    Tentar categorizar atéus é como rebanhar uma manada de gatos.

  15. Mats diz:

    “Seres humanos não são piranhas, e o canibalismo acontece no mundo animal. Como acontece no mundo animal, e como supostamente nós somos “animais” resultado da evolução, então não há problemas com o canibalismo.”

    Se uma piranha virasse canibal achas que ela iria viver muito tempo?

    Quem colocou o tempo de vida como base para a moral? Por outras palavras, porque é que usas a prolongação da existência humana como base para a moralidade? Imagina que uma mãe vê o filho em vias de ser atropelado. Ela corre e coloca-se entre o filho e o carro, e ela morre. Se a moral se baseasse na auto-preservação, o que ela fez está errado, certo?
    Repito. quem disse que devemos postular comportamentos morais baseados na preservação da “sociedade” ou do indivíduo? Não é isto mais uma postulação arbitrária da tua parte?

    “Estás por tanto a dizer que o ser humano não deve atacar a sociedade porque as piranhas não se comem umas as outras?”

    Se todos os humanos fossem psicopatas assassinos não estaríamos a ter hoje esta conversa. Nem sequer existíamos porque estavamos extintos.

    E depois? E extinção pode ser uma coisa boa, se Deus não existe. Segundo a teoria da evolução, foi a extinção dos grandes répteis que causou a evolução dos mamíferos. Ou não? Será que me enganei? Se calhar a nossa extinção produzirá a evolução de outros seres mais evoluídos.
    No entanto, se Deus existe, e Ele é Quem fala na Bíblia, então toda a vida humana é preciosa, independemntemente da cor da pele, estatuto social, condição física ou idade. Somos todos amados e preciosos aos Olhos de Deus, e isso da-nos valor.

    “Porque é que tenho de ser um membro beneficial para a sociedade?”
    Se fores um membro detrimental para a sociedade, tornas-te detrimental para ti. Porque tu também te inseres na sociedade.

    E depois? Quem disse que não posso se detrimental para comigo mesmo? Mais uma vez usas a auto-preservação como base para a moralidade.

  16. Mats diz:

    Tentar categorizar ateus é como rebanhar uma manada de gatos.

    Eu já tinha visto essa frase, mas em vez de ateus dizia “conservatives”. Era um blog político.

  17. rpfm diz:

    É uma comparação que na minha opinião também se aplica.
    Tens de aprender a olha cépticamente para as tuas fontes, incluíndo a bíblia.
    A tua lógica é circular:

    “E depois? Quem disse que não posso se detrimental para comigo mesmo? Mais uma vez usas a auto-preservação como base para a moralidade.”

    Estás a partir do princípio que o teu comportamento tem de ser imposto por alguém (Deus, políticos etc).
    Enquanto houver gente a pensar assim viveremos para sempre num pseudo fascismo

    Tens de chegar por ti a uma paz com o resto da sociedade. E não é uma bíblia ou um código penal que vai fazer isso. És tu e o teu pensamento crítico que têm de lá chegar.

  18. Mats diz:

    A tua lógica é circular:

    “E depois? Quem disse que não posso se detrimental para comigo mesmo? Mais uma vez usas a auto-preservação como base para a moralidade.”

    Estás a partir do princípio que o teu comportamento tem de ser imposto por alguém (Deus, políticos etc).

    Por acaso, não estou. Eu nunca falei em imposição de comportamentos, mas sim na existência de Uma Referência para os comportamentos a seguir. Deus não impõe comportamentos a ninguém. Ele apenas mostra qual o caminho certo. As pessoas seguem esse caminho se quiserem.

    Enquanto houver gente a pensar assim viveremos para sempre num pseudo fascismo

    Que é onde estamos hoje em dia na europa, embora a mesma seja maioritariamente secular/ateísta/evolucionista. Pelo menos os líderes são.

    Tens de chegar por ti a uma paz com o resto da sociedade.

    Tenho mesmo? Não é isso uma imposição de comportamento? Contradizes o que disseste em cima.
    Além disso, porque é que tenho de chegar a uma paz com a sociedade? Imagina que eu vivia na alemanha nazi. Será que tinha que “chegar por mim mesmo” a “uma paz com o resto da sociedade?

    E não é uma bíblia ou um código penal que vai fazer isso. És tu e o teu pensamento crítico que têm de lá chegar.

    Se Deus não existe, “pensamento crítico” é uma ilusão. Se tudo o que nós somos é matéria que se aglomerou através dos anos, nós não somos livres para gerar pensamentos críticos. Tudo o que se passa na nossa mente é o resultado da interacção das forças da natureza com a matéria la presente.

    Mais uma vez se vÊ que o ateísmo destrói a base para o pensamento racional.

  19. rpfm diz:

    “Além disso, porque é que tenho de chegar a uma paz com a sociedade? Imagina que eu vivia na alemanha nazi. Será que tinha que “chegar por mim mesmo” a “uma paz com o resto da sociedade?”

    Fazer paz com essa sociedade poderia significar abandoná-la, ou então tentar mudá-la para aquilo que consideras melhor. Só a tua capacidade criativa é o limite. Falhaste novamente ao pensar que te estou a obrigar a seguir um caminho. O caminho que seguires é aquele que achares mais benéfico ou prático. Nem Deus nem eu nem ninguém te deve impor qual caminho será esse. Desde que esse caminho não passe por cima de alguém penso que terás uma viagem agradável.

    Ainda mais, se tiveres um animal de estimação, tens de lhe ensinar a bíblia para que ele não te ataque?

    De qualquer maneira, o “inferno” deverá ser um estado de espírito e não um lugar.

    Acredito mais nas palavras do Papa João Paulo II do que no actual.

    “Se Deus não existe, “pensamento crítico” é uma ilusão. Se tudo o que nós somos é matéria que se aglomerou através dos anos, nós não somos livres para gerar pensamentos críticos. Tudo o que se passa na nossa mente é o resultado da interacção das forças da natureza com a matéria la presente.”

    Pensamento crítico não é uma ilusão, por causa da existência física quântica. Nós não vivemos num Universo determinista, nem num Universo controlado por uma entidade sobrenatural.

    Ou nas palavras de Carl Sagan:
    “We are a way for the universe to know itself”

  20. joaoaduarte diz:

    Mats,
    Quando dizes que só as civilizações critãs “desenvolveram ciência” estás enganado.
    Enquanto a europa estava afogada na religiosidade suprema da idade média os “mouros” como nós lhes chamaos, desenvolveram a astronomia, a matemática e inúmeras outras ciências. Não é à toa que usamos os números àrabes (1,2,3,etc..)

    Quanto à questão de deus/evolução a minha opinião é a seguinte.

    Eu acho que é bastante possivel a coexistência de uma crença num deus pessoal e na teoria da evolução. Não vejo porque não há de ser possível, na mente de um cristão, acreditar que “deus” possa ter criado algumas coisas e deixado o resto ao encargo da evolução.

    Eu não sou cristão, muito pelo contrário, sou ateu convicto e militante. Tenho por opinião pessoal que a religião organizada (palavra-chave é organizada) é um cancro da sociedade. Mas isso é só a minha opinião pessoal. Não tenho nada contra a liberdade religiosa pessoal, muito pelo contrário, acho que cada um é livre de acreditar naquilo que quiser.

    O que eu estive a pensar nestes ultimos dias foi o seguinte. Imagina que, hipoteticamente, te davam provas inequívocas da existência de evolução. Qual seria a tua reacção?
    Se me conseguisses provar inequivocamente a existência do teu Deus, eu não teria medo nem pudor nenhum em dizer “eu acredito em deus” MAS não o “adoraria” nem mudaria a minha postura de ateismo. Isto é, apesar de, hipoteticamente me demonstrares sem sombra de dúvida que deus existe, eu continuaria a não o “adorar”.
    Porque?
    Porque acho que a religião é uma questão de liberdade individual como te disse a cima. Assim sendo, mesmo que o teu deus exista, é a minha liberdade individual não o adorar, apesar de admitir a sua existência. Isto porque a religião é algo absolutamente subjectivo.

    Provares inequivocamente que o teu deus existe, mesmo que conseguisses negar a existência de todos os outros milhares de deuses em que algumas pessoas acreditam (ou acreditaram) não é, na minha opinião, causa suficiente para abandonar os princípios ateístas pelo qual me guio

    Agora, no que toca a ciência, as coisas não são subjectivas mas sim objectivas. A ciência esforça-se para provar como as coisas são. No entanto, ao contrário da religião, a ciência não é imutável. É difícil comprovar inequivocamente algo sem que haja outras pessoas a questionar aquilo que pensas ter descoberto. Como tal, é o objectivo da ciência mudar os paradigmas regentes mal haja provas de que o paradigma actual não e correcto.

    Os argumentos cristãos contra a evolução passam sempre por “isso é demasiado complexo para ter evoluido”. Eu acho, para mim, mais complexo, acreditar num ser omnipotente que criou todo o universo em 7 dias. Como tal, como rebates o argumento que a existência de deus não é verdade por deus ser demasiado complexo?

    O nosso conhecimento individual é limitado e, como tal, não podemos, a um dado momento, compreender tudo o que nos rodeia. Apensar se reduzirmos as coisas ao seu menor denominador comum (“foi deus”) é que voçês cristão podem assumir que tudo é possível.

    Os teus argumentos para dizer que o inferno existe são:
    1 – está escrito na bíblia
    2 – houve pessoas que lá foram e voltaram.

    Ora bem. O primeiro ponto. A bíblia não foi escrita por deus, mas sim pelos homems. Há até discução sobre se esses homens foram mesmo os chamados “discípulos de cristo” ou não. Mas não vou entrar por aí agora porque daria páginas e páginas de escrita.

    Quanto ao segundo ponto. As pessoas mentem. Desculpa se isto abala o teu mundo mas é verdade. Há pessoas que fazem tudo para chamarem à atenção. Porque depositas a tua fé em pessoas que dizem “eu fui e voltei?” Quantas pessoas estiveram nas mesmas situações de vida ou de morte e não viram nada? Porque não escolhes acreditar nelas, mas sim naquelas que mais te conveêm?

    Segundo, admitindo que a bíblia está correcta e o inferno existe, e que as pessoas lá foram e voltaram. O inferno está destinado às pessoas “más” ou que não acreditam em deus (não sei quais são as condições que tens de cumprir para ires para o inferno, se me puderes dizer, agradeço). Ou seja, estás a acreditar na palavra de pessoas que, a ser verdade aquilo que dizem, foram condenadas ao pior castigo possível da teologia cristã – o inferno – são verdadeiras. Ou seja, o teu argumento a favor do inferno baseia-se no testemunho das “pessoas impuras” que o merecem.
    Como podes confiar nelas com os teus preceitos religiosos?

    Quanto à tua visão da interelação moral-religião tenho também as minhas dúvidas.
    Dizes que deus é o ponto de referência absoluto para o moral. Agora eu contraponho. Como esplicas os filhos da puta (não há outras palavras para eles) dos padres pedófilos? Os sacerdotes de deus que violam criancinhas? Onde está a referência moral deles? e como permite o teu deus que aqueles que pregam a sua palavra a pervertam de forma tão abominável?
    Admitir a existência de deus não é obrigatóriamente a admissão de uma bússula moral. Há imensas pessoas religiosas com diferentes ideias do que é ou não “moral”. Dizes que num mundo sem deus não há, por exemplo, problemas em ser interesseiro. E eu contraponho. E num mundo com deus, há problema em ser interesseiro? Qual é a moralidade que, na precença de deus te faz “não ser interesseiro”. A resposta simples e eficaz é, tu queres ir para o paraíso (presumo que acreditas nisso, uma vez que acreditas no infero, desculpa se estou errado) Ou seja, és tão interesseiro como qualquer outra pessoa. Não fazes o bem porque é a coisa certa a fazer mas porque esperas ser recompensado por isso!

    Eu faço aquilo que acho que é o bem sem acreditar em Deus, sem o objectivo de ser bem visto aos olhos de deus para poder ir para o paraíso. Eu faço aquilo que acho que é bom porque acho que é o melhor a fazer para mim e para as pessoas que me rodeiam. Fui educado a “fazer o bem” sem esperar nada em troca.
    Se não tivesses a esperança de que os teus actos “de bom cristão” fossem recompensados com a tua ida para o paraíso ainda os farias?

    Eu acho que a noção de bem e de mal é completamente subjectiva. Lembro-me sempre de o meu pai me dizer que tinha lido nalgum lado (perdoa-me se não te posso dar a fonte) sobre uma história de dois povos na grécia antiga que tinham tratamentos diferentes para os seus mortos. Um dos povos enterrava os mortos, enquanto que outro os comia assumindo que o melhor lugar de repouso para os mortos era o seu estômago. Segundo os padrões de hoje, a ideia de comer os mortos é algo “maléfico” mas, para aquele povo, era a ideia de enterrar os mortos que estava “errada”.

    Se realmente existe um ponto de referência absoluto para o moral e esse ponto é o deus abrahamico-cristão, como explicas que esse deus não se tenha revelado a toda a civilização ao mesmo tempo mas só a um grupo de escolhidos num determinado local e tempo? Será que os incas, que nunca ouviram falara de jesus e do deus abrahamico, estão automaticamente condenados ao inferno e não possuiam qualquer moral?

    Da mesma forma como explicas que os ateus, não acreditando nesse teu ponto absoluto de moral, não andem aí a matar toda a gente e a fazer todo o tipo de abominações? Consegues dizer 1 crime que tenha sido feito em nome do ateísmo?
    É que, em nome do teu suposto deus, milhares de crimes já foram cometidos. Sangue de milhares de pessoas foi derramado em nome do teu deus, por pessoas que acreditavam nele. Não estou a dizer que não haja criminosos ateus, muito pelo contrário, mas não conheço nenhum crime que tenha sido feito “em nome do ateísmo”.

    Como explicas esta aparente contradição, em pessoas que não teêm o mesmo ponto absoluto de moral que tu tens? É que, do meu ponto de vista, se os ateus manteêm a sua moralidade mesmo não admitindo o teu ponto absoluto, então eles são mais “morais” que qualquer cristão, pois não precisam de acreditar na existência de deus “para se manter na linha”.

    Dizes ainda que, na ausência de deus, não há pensamento crítico. Volto então a questionar, como é que é possivel que tenhma existido civilizações que, apesar de não acreditarem no teu deus, prosperaram e ainda prosperam? Como é que ainda existem hindus? Budistas? shintos? taoistas? religiões xamanísticas?
    E mesmo dentro das religiões abrahamicas, será que os judeus ou os islâmicos não teêm moral porque não acreditam exactamente no mesmo deus que tu?
    Mesmo dentro da tradição cristã, será que os protestantes, apstólicos e ortodoxos têm morais diferentes?
    E mesmo dentro da igreja apostólica católica romana, será que toda a gente tem o mesmo sentido de moral que tu tens?
    é que se acreditas nisso o inferno deve estar a abarrotar, e deve haver muito espaço no paraíso para ti! Deves ser dos únicos que para lá vai.

  21. Mats diz:

    Fazer paz com essa sociedade poderia significar abandoná-la, ou então tentar mudá-la para aquilo que consideras melhor.

    Voltamos ao ponto de partida: a moralidade é definida por cada indivíduo. Daí se infere que o ateísmo justifica qualquer comportamento moral, por mais estranho que ele seja. E porquÊ? Porque nós fazemos o que “consideramos melhor”.

    Falhaste novamente ao pensar que te estou a obrigar a seguir um caminho. O caminho que seguires é aquele que achares mais benéfico ou prático.

    Mesmo que isso inclua matar crianças por diversão? Ou será que isso está errado?

    Nem Deus nem eu nem ninguém te deve impor qual caminho será esse.

    Tu dizes que Deus não deve impôr comportamentos, mas ao afirmares isso tu mesmo estás a impôr um comportamento (“Não sigas o que Deus diz!”).

    Desde que esse caminho não passe por cima de alguém penso que terás uma viagem agradável.

    Mas quem disse que não posso passar por cima de alguém? Se Deus não existe, qual é o problema em psasar por cima dos outros?

    Ainda mais, se tiveres um animal de estimação, tens de lhe ensinar a bíblia para que ele não te ataque?

    A Bíblia foi revelada por Deus para os homens e não para os animais.

    De qualquer maneira, o “inferno” deverá ser um estado de espírito e não um lugar.

    O inferno é um lugar de tormento e sofrimento indescritíveis e eternos. Não é um “estado de espírito”.

    “Se Deus não existe, “pensamento crítico” é uma ilusão. Se tudo o que nós somos é matéria que se aglomerou através dos anos, nós não somos livres para gerar pensamentos críticos. Tudo o que se passa na nossa mente é o resultado da interacção das forças da natureza com a matéria la presente.”

    Pensamento crítico não é uma ilusão, por causa da existência física quântica. Nós não vivemos num Universo determinista,

    Quem disse? Se Deus não existe, e tudo o que nós somos é materia, quem disse que o que se passa na nossa mente não e apenas o resultado da interacção das forças da natureza nos químicos cerebrais?

    Ou nas palavras de Carl Sagan:
    “We are a way for the universe to know itself”

    Essas palavras são o resultado das forças da natureza a actuar na mente do Sagan. Ele não poderia pensar de outro modo mesmo que quisesse.

    Isto, claro, se o ateísmo está certo. No entanto, como Deus existe, e nós fomos feitos à Sua Imagem, nós temos a capacidade de gerar pensamentos, sonhos e planos, independentemente da nossa composição física.

    Vejam este post.

  22. Mats diz:

    João,

    Quando dizes que só as civilizações critãs “desenvolveram ciência” estás enganado. Enquanto a europa estava afogada na religiosidade suprema da idade média os “mouros” como nós lhes chamaos, desenvolveram a astronomia, a matemática e inúmeras outras ciências. Não é à toa que usamos os números àrabes (1,2,3,etc..)

    Para começar, esses númeors não são árabes, mas sim indianos. Por isso é que os próprios árabes os chamavam de “arqam al hindi” (numeros indianos):

    † The universal symbols we now know as Arabic numerals, including the Zero, were referred to by Arabic sources, from the earliest times, as arqam al hind — “figures from India”.

    The Muslims of that day, though generally contemptuous of non-Islamic culture, had no problem conceding the invention of this number system to India.

    http://globalpolitician.com/articledes.asp?ID=3627&cid=2&sid=2

    Segundo, se a cosmovisão islâmica é assim tão benéfica para a ciência, porque é que a revolução científica aconteceu na europa cristã?

    Vê também este post, e vê a quantidade de mitos que existem àcerca da não-existente “civilização islâmica”.

  23. jmct diz:

    Bom podia ter acontecido muito antes se não fosse a inquisição. Mats, não sei se leste tudo o que o João escreveu, se não tenta ler. Porque não respondeste a nada das observações que ele fez🙂 eu achei bastante pertinentes.

    Claro que és livre de matar criancinhas Mats. Mas… todo o homem é responsável pelos seus actos. Cadeia era o que te esperava. ATENÇÃO: isto não significa que um ateu aja com base no MEDO das represálias, mas sim com base no AMOR da realidade. Basicamente tudo se resume a amor e medo. O que eu observo é que os crentes têm medo do inferno e por isso são bons, os ‘ateus’ têm amor ao que lhes rodeia e por isso são bons🙂

    Disseste que estavas a tentar mostrar as consequências do ateísmo. Eu vou tentar listar aqui algumas consequências da religião organizada para a sociedade e tu depois tentas fazer o mesmo para o ateismo.

    – separação das pessoas. Ex: “eu sou cristão e tu és ateu, logo somos diferentes”.
    – Cruzadas
    – Inquisição, e época negra de desenvolvimento tecnológico nulo.
    – Fanatismo leva a atentados, muitas vezes.

    Um argumento muito básico. Se Deus é omnipotente porque é que levou 7 dias a fazer o universo e TEVE de descansar no oitavo?

    Eu acho que a Bíblia tem muito para nos dizer. Acho que ela pode encerrar a resposta a grandes mistérios mas é preciso saber lê-la. Não estou a dizer que a sei ler. Só estou a dizer que acho errado lê-la no sentido literal.

    Mats, se todas as pessoas que conheces fossem para o Inferno e tu fosses para o céu e ficasses lá sozinho, ainda assim gostarias de lá estar?

  24. jmct diz:

    Bom comentário JA. Fez-me lembrar aquelas conversas antigas. Sim.. porque eu já não discutia estes assuntos há algum tempo. Eheh. Espero que o Mats tenho tempo para ler o que escreveste.

  25. mastiphal diz:

    Olá malta, aqui estou eu também a puxar a brasa à minha sardinha🙂

    Por acaso, não estou. Eu nunca falei em imposição de comportamentos, mas sim na existência de Uma Referência para os comportamentos a seguir. Deus não impõe comportamentos a ninguém. Ele apenas mostra qual o caminho certo. As pessoas seguem esse caminho se quiserem.

    Referência essa que não passa de um conjunto de “contos de fada” que a certa altura e porque beneficíavam o Imperador Constantino, tornaram-se num lívro a que hoje chamas de Bíblia. Não penses que eu sou contra a Bíblia, muito pelo contrário, até tenho duas em casa, ela é um excelente meio para procurar-mos as respostas quando estamos perdidos, mas não vamos lê-la e interpretá-la à letra.
    Se Deus tem aquela omni-presença toda, e aquele poder todo (e isto foi um dos motivos mais fortes que me levou a desprender de quase todas as religiões monoteistas), porque é que não adivinhou que Adão se sentia sozinho no Paraiso, e só depois de ele dar o nome a todos os animais e não ter encontrado uma “parceira”, Deus lá criou a Mulher? Se Deus é o “Almigthy” porque é que não meteu uma grade à volta da árvore do pecado e não mandou a serpente que enganou a Eva, para o raio que a parta? Foi graças a essa alegoria que o sexo feminino sempre foi visto como um “ser inferior” e ainda hoje o é…

    Não concordo que a religião não é uma boa fonte de inspiração tecnológica. Os egipcios construiram um ímpério cujos templos, piramides e tudo o demais chegou até nós hoje em dia, e construiram-no na base das suas crenças e procura da vida eterna, o mesmo aconteceu com os Maias e Incas, e o mesmo aconteceu com os Rapa-Nui na ilha da Páscoa, que devido à sua devoção religiosa caminharam para a sua auto-destruição..

    Achas mesmo que existe um Deus? Então Ele que largue o seu poleiro lá em cima (ou onde quer que ele esteja) e mostre-se perante toda a humanidade, e até tenho uma sugestão para Ele, demonstre o seu poder a todos nós, que tal se Ele erradicasse toda a fome, miséria e opressão que existe na Terra? Ahh não, ele virá um dia quando achar que é o momento oportuno. Mas enquanto não for, MILHÕES de crianças, cujo único pecado que cometeram foi nascer na África Sub-sariana, morrem à fome.

    Eu não necessito de uma tábua enviada por Deus a Moisés contendo nela o Decálogo, onde dos dez mandamentos, quatro são sobre Deus, e outros seis são morais sobre nós ou os outros. Para mim os quatro religiosos não se aplicam (não terás outros deuses, check, não farás para ti outros deuses, humm não há santinhos nem devoções nenhumas desse género na igreja cristã, não tomarás em vão o nome do Senhor, hum também nenhum religioso faz isso, santificarás o dia de domingo/sábado, esta é engraçada, os judaicos fanáticos nem um interruptor da luz pode ligar neste dia, descanso é descanso.)
    Os outros seis, não é necessário ter um QI de 200 para percebermos que a civilização religiosa ou não, não funcionava muito bem, com algumas exepções claro, existem civilizações/ideologias que funcionam sem uma ou duas, mas nunca sem as seis. Ai viveriamos na total anarquia.

    Chama-se ele Deus, Jeová, Alla ou outra coisa qualquer, tudo não passa de interpretações de outras pessoas que viveram em tempos bem diferentes. É graças a eles que ainda hoje vivemos num mundo repleto de opressão religiosa, existem padres pedófilos que enquanto estão a dar a missa têm o rapazinho de 8 anos ajoelhado na sacristia, ou há putos suicídas no médio-oriente.

    Mata Ratos – Gangue das Batinas

    Lembro-me de há anos (e certamente o jmct, também se recordará) de um amigo nosso nos mostrar num site uma faixa áudio supostamente gravada por uma sonda que tinha sido enviada até ao centro da Terra (na altura todos nós acreditavamos que era possível uma sonda chegar até lá), faixa essa em que para mim não passava de uma fita completamente estragada e arruinada pelas elevadas pressões e temperaturas, onde mal se intepretava um rúido qualquer, mas para o nosso amigo que era e é um religioso, era uma clara evidência da existencia do inferno uns quantos kilometros abaixo dos nossos pés.
    O mesmo acontece a quem acredita naquilo que a Alexandra Solnado escreve nos seus lívros, não passam apenas de devaneios mentais de alguém que acredita que tem uma hot-line com Jesus. E o mesmo se passa com aquelas pessoas que vêem o céu ou o inferno quando estão às portas da morte, isso pode muito bem ser explicado como espasmos quimicos que o cérebro nos envia quando estamos prestes a morrer. Se algum dia isso me acontecer e por momentos estiver com o São Pedro ou com Lucifer, vou-lhes pedir o endereço de Skype para depois comprovar que eles existem, Okey?

    Havia um slogan de um cartão de crédito que dizia “…para tudo o resto existe MasterCard”, podemos então criar um slogan parecido para a religião: “Para tudo o que se pode explicar existe a ciencia, para tudo o resto existe a religião”

  26. rpfm diz:

    Havia um slogan de um cartão de crédito que dizia “…para tudo o resto existe MasterCard”, podemos então criar um slogan parecido para a religião: “Para tudo o que se pode explicar existe a ciencia, para tudo o resto existe a religião”

    LOL

  27. joaoaduarte diz:

    oh mats. isso é tudo o que tens a dizer? Que os números àrabes são na verdade indianos (que é, novamente uma re?gião não cristã)?
    Para além disso, a acreditar no site que me mandaste, (que não passa de uma carta aberta feita por uma pessoa que não se identifica como especialista de algum modo) dá-me razão na medida em que diz que, apesar de não terem sido os “muçulmanos” mas sim os assírios, que também não eram cristãos.
    Também tens os gregos que desenvolveram a filosofia e a medicina e os romanos que desenvolveram bastante a arquitectura, com a construção de estradas por exemplo. Nenhum desses grupos eram cristão.

    A revolução científica que falas que aconteceu na europa aconteceu durante o renascimento, precisamente quando o paradigma social mudou da ultra-religiosidade e inquisição assassina da idade média e passou para um paradigma mais próximo da antiguidade grega/romana. Como explicas a espantosa falta de avanços científicos durante a época mais fanáticamente cristã da humanidade?

    E aquilo que tu chamas revolução científica não aconteceu apenas na europa cristã! Ou achas mesmo que os europeus cristão eram os únicos que possuiam quaisquer avanços científicos?
    Para além disso, se os avanços científicos estão tão associados ao cristianismo como tu achas e, seguindo o teu raciocínio, uma vez que um povo fosse “convertido” ao cristianismo, a sua capacidade científica deveria aumentar exponêncialmente. Tens alguma prova disso?

    Gostava de saber o que pensas das outras questões que te coloquei. É a primeira vez que falo com alguém tão religioso como tu e gostava de saber como pensas.
    Obrigado

  28. jmct diz:

    Epa… não posso deixar de me rir. Só li o que o roger citou.. LOLOOL mastiphal reinaste agora.

    Por favor, não usem este meu comentário para descredibilizar a discussão. Há que saber rir-se duma boa piada😀 e rir-nos de nós mesmos também.

  29. João diz:

    Boas,

    Mats, em primeiro lugar tenho que te dar os parabéns por teres coragem de vires a esta toca do lobo falar de religião.

    Eu não me considero ateu, nem me considero religioso. Tenho pensado bastante nisto ultimamente. Sou simplesmente agnóstico. Partilho da opinião do João Duarte quando ele diz que se me mostrassem que Deus existia, eu diria “Ahm, ok”, mas não o seguiria. Mas como também alguém disse por aí, há coisas demasiado complexas para as quais nem a ciência consegue dar explicação. Para essas, deixo-as reservadas para uma entidade superior, mas sempre com o seu quê de espírio crítico.

    Dito isto, deixa-me dar-te um exemplo real (ie. meu, pessoal) da bondade cristã. Tens um puto de 5 anos que não foi baptizado pelos pais. Os pais optaram por deixar o puto decidir quando tivesse idade se se queria baptizar ou não. Razoável isto não? Não endoutrinar a criança desde pequena a acreditar cegamente na religião mas deixá-la descobri-la por si e deixá-la escolher. O puto de 5 anos vai para a escola num colégio católico, por razões simplesmente educativas (ie. era a melhor escola e mais perto de casa). Como numa normal escola cristã, tens rezas pela manhã (graças às quais ainda tenho o Pai Nosso e a Avé Maria gravados na cabeça), e missa ocasionalmente. Nesses dias de missa, como eu não era baptizado, era colocado ao fundo da igreja, sozinho, ou acompanhado de outros “impuros”, enquanto toda a gente, a meu ver, se ria, falava, comungava. Diz-me: que cria isto num puto de 5 anos? Eu digo-te: Confusão extrema. Resultado: tenho 23 anos e não sou nem quero ser baptizado. Posso mudar de ideias, mas duvido.

    Dou-te outro exemplo. Quando um familiar meu próximo morreu, o padre, no meio do velório, antes de dar a missa, chamou alguns de nós e perguntou: “Então… e ela era crente?”. A resposta foi não. E ele: “Aaaah…. e era casada?”. A resposta foi: divorciada. E ele: “Divorciada…”. Deixa-me que te diga. O padre teve a sorte de, naquele momento, ter chamado as pessoas certas para fazer estas perguntas. Chama-lhe intervenção divina. Porque caso ele tivesse falado comigo, o padre tinha era ido parar ao Hospital devido à tremenda falta de respeito e humanidade que demonstrou.

    Com estes dois exemplos só quero demonstrar uma coisa. Nem todos os cristãos são boas pessoas, nem todos os ateus são más pessoas. Há é que perceber que nem uns são o cancro da sociedade, nem outros são ímpios a serem vistos como alvos a abater. Conseguimos ambos co-existir. E acho que é isso que nem tu, nem o Roger entendem. Ambos acham-se donos de uma moral superior sobre os outros. Se um diz que a ciência avançou sem ser pelos Cristãos, eu remeto-o à educação que a maior parte dos iluminados tiveram: religiosa, mesmo que eles não o fossem. E cito exemplos como o de Mendel. Mas o outro que não fique feliz e contente porque a sociedade cristã desse tempo recompensou muitos pensadores (como Galileu) com perseguição e um bom churrasco quando os apanhava.

    Outra coisa. Aquilo que nós chamamos de “Revolução Científica” é um nome dado por nós a um período da NOSSA história. Não significa que seja A revolução. Foi uma de muitas. E muitas outras foram feitas noutras crenças, noutros períodos.

    E para terminar, deixa-me pegar numa frase tua:

    “Isto, claro, se o ateísmo está certo. No entanto, como Deus existe, e nós fomos feitos à Sua Imagem, nós temos a capacidade de gerar pensamentos, sonhos e planos, independentemente da nossa composição física.”

    Vou para o inferno por dizer o que vou dizer mas. Uma pessoa que nasça com uma severa paralisia cerebral, que exista num estado vegetativo, que imagem de Deus é essa? Que planos consegue ela traçar? Que planos tem Ele para ela?

    Ao menos, prefiro a visão de Deus dos judeus mais religiosos: Deus é cruel, e nós só somos almas perdidas que andamos por cá a tentar por tudo agradar-lhe. Revejo mais o mundo sob os olhos de um Deus caprichoso que de um carinhoso.

    João

  30. Mats diz:

    Vou tentar responder a todas as polémicas numa só resposta.

    Basicamente tudo se resume a amor e medo. O que eu observo é que os crentes têm medo do inferno e por isso são bons, os ‘ateus’ têm amor ao que lhes rodeia e por isso são bons🙂

    Como é que o ateu separa o “bom” do “mau”? Não será segundo a sua própria opinião? Pois bem, o cristão também tem a sua própria opinião sobre o que é “bom” e “mau”. Como é que sabemos quem está certo?
    Tu não podes falar em “bom” e “mau” sem primeiro dizeres como distingues um do outro em termos absolutos.

    Disseste que estavas a tentar mostrar as consequências do ateísmo. Eu vou tentar listar aqui algumas consequências da religião organizada para a sociedade e tu depois tentas fazer o mesmo para o ateismo.

    – separação das pessoas. Ex: “eu sou cristão e tu és ateu, logo somos diferentes”.

    Ninguém separou mais pessoas do que o ateu Mao Tse Tung e o ateu José Estaline. Esses dois ateus juntos separaram quase 100 milhões de almas dos seus familiares.

    – Cruzadas

    Gulags ateus socialistas

    – Inquisição, e época negra de desenvolvimento tecnológico nulo.

    Campos de concentração nazis onde seres humanos eram alvo de experiências médicas por parte de outros seres humanos. Os segundos pensavam que os primeiros não eram bem humanos, contrariamente ao que a Bíblia diz.

    – Fanatismo leva a atentados, muitas vezes.

    Os grandes grupos terroristas do ocidente são islâmicos e não cristãos.

    Um argumento muito básico. Se Deus é omnipotente porque é que levou 7 dias a fazer o universo e TEVE de descansar no oitavo?

    lol

    Onde é que viste isso? Onde é que a Bíblia fala de semanas de 8 dias? O teu descconhecimento da Palavra de Deus enfraquece os teus argumentos anti-cristãos.
    Mostra-me na Bíblia onde é que diz que Deus levou 7 dias para fazer o universe e *TEVE* que descançar no oitavo? Dou-te uma referência: Êxodo 20:11

    Mats, se todas as pessoas que conheces fossem para o Inferno e tu fosses para o céu e ficasses lá sozinho, ainda assim gostarias de lá estar?

    Sim

    oh mats. isso é tudo o que tens a dizer? Que os números àrabes são na verdade indianos (que é, novamente uma re?gião não cristã)?

    Refuta a tua crença de que os nossos números são árabes. Agora já sabes.

    Para além disso, a acreditar no site que me mandaste, (que não passa de uma carta aberta feita por uma pessoa que não se identifica como especialista de algum modo) dá-me razão na medida em que diz que, apesar de não terem sido os “muçulmanos” mas sim os assírios, que também não eram cristãos.

    Por acaso os Assírios são cristãos. Chegaste a ler o artigo?

    Também tens os gregos que desenvolveram a filosofia e a medicina e os romanos que desenvolveram bastante a arquitectura, com a construção de estradas por exemplo. Nenhum desses grupos eram cristão.

    Mas a revolução científica não aconteceu em nenhuma das eras onde eles eram senhores do mundo. A revoluçâo científica aconteceu na europa cristã.

    A revolução científica que falas que aconteceu na europa aconteceu durante o renascimento, precisamente quando o paradigma social mudou da ultra-religiosidade e inquisição assassina da idade média e passou para um paradigma mais próximo da antiguidade grega/romana.

    E isso explica o porquÊ da maior parte dos cientistas da revolução científica ter sido um cristão?

    Como explicas a espantosa falta de avanços científicos durante a época mais fanáticamente cristã da humanidade?

    Não tenho explicação porque isso é um mito. A erradamente chamada de “Idade das Trevas” foi uma era de grandes avanços tecnológicos e científicos. Porque é que achas que a revolução científica aconteceu na altura em que aconteceu? Foi um acumular de conhecimento que foi avançando até explodir quando explidiu. A Bíblia e a sua concepção de Um Deus Criador e LEgislador Moral, ao mesmo tempo que Ele é o Arquiteto do universo, dá uma plataforma ideológica onde a ciência pode florescer.
    As coisas não acontecem por acaso, e a revolução científica não aconteceu na europa cristã por acaso.

    E aquilo que tu chamas revolução científica não aconteceu apenas na europa cristã! Ou achas mesmo que os europeus cristão eram os únicos que possuiam quaisquer avanços científicos?

    Nunca disse que eram. Estás a fugir ao assunto.

    Para além disso, se os avanços científicos estão tão associados ao cristianismo como tu achas e, seguindo o teu raciocínio, uma vez que um povo fosse “convertido” ao cristianismo, a sua capacidade científica deveria aumentar exponêncialmente. Tens alguma prova disso?

    O teu erro é fazer uma falsa premissa e esperar que eu opere dentro do teu erro. Eu nunca disse que se um povo se converter ao cristianismo eles vão avançar na ciência. O que eu disse é que a revolução científica aconteceu na europa cristã porque o cristianismo Bíblico é uma ideologia amiga da ciência, contrariamente ao que os ateus foram levados a acreditar.

    Gostava de saber o que pensas das outras questões que te coloquei.

    Quais?

  31. João diz:

    Mats,

    Essa de ver quem é mais mau que o outro é tipo as comparações de balneário… E se falas dos grupos terroristas islâmicos eu só te respondo: “Pois pudera, não é o Ocidente que anda a ser invadido.”. E não te esqueças que na nação mais cristã/católica do mundo (EUA) tens cada facção de tarados que assusta quem tem 2 dedos de testa.

    Essa da revolução ser causada porque foi num ambiente cristão também tem muito que se lhe diga. Disseste uma coisa com muita razão: aconteceu naquela altura porque houve um acumular de conhecimento durante a idade das Trevas. E acrescento ao teu ponto de vista: muito desse conhecimento foi gerado/acumulado/guardado/transmitido pelos monges e ordens cristãs. Agora, que extrapoles isso para que seja uma condição quase sine qua non (repara no quase) é meio absurdo. Como te disse, a Igreja recompensou essas explosões de conhecimento com uns churrascos. Passo a ligeireza do termo.

    E, como também já te referiram, muito conhecimento foi gerado FORA da fé cristã, FORA dos ensinamentos de Cristo. Acho triste colarem o avanço da ciência a uma só religião. Assim como acho triste colarem a ciência à ausência de religião.

    Voltando ao teu primeiro comentário. Como é que um ateu separa o bem do mal? Da mesma maneira que um cristão separa o bem do mal. Como já disseram, fora 4, os mandamentos são pura lógica para que uma sociedade possa existir. Eu fui educado pelos meus pais ateus que não devo matar, que não devo roubar, que não devo cobiçar a mulher do próximo. Isso é uma questão de educação, não de religião. Eu muito provavelmente rejo-me pelos mesmos ideiais que tu. Mas enquanto tu os conotas à tua educação e crença cristãs, eu simplemente chamo-lhes bom senso. Basicamente, é isso.

    Só antes de me ir embora:

    “My feelings as a Christian points me to my Lord and Savior as a fighter. It points me to the man who once in loneliness, surrounded only by a few followers, recognized these Jews for what they were and summoned men to fight against them and who, God’s truth! was greatest not as a sufferer but as a fighter. .. How terrific was His fight for the world against the Jewish poison.”

    Queres adivinhar quem disse isto?

  32. joaoaduarte diz:

    Mats

    “Tu não podes falar em “bom” e “mau” sem primeiro dizeres como distingues um do outro em termos absolutos.”

    Eu pessoalmente não acredito no absolutismo do bem e do mal. Como já disse antes.

    “Ninguém separou mais pessoas do que o ateu Mao Tse Tung e o ateu José Estaline. Esses dois ateus juntos separaram quase 100 milhões de almas dos seus familiares.” e respostas seguintes.

    Aqui reside o teu erro. Tomas a acção da pessoa com base na religião das pessoas. Nem o hitlet, nem o estaline, nem o mao tse tung mataram as pessoas que mataram em nome do ateísmo. Nenhum deles fez o que fez para promover uma agenda ateísta mas sim nazi, e comunistas, respectivamente. O facto de eles serem ateus não tem nada a ver com o que eles fizeram.
    Agora, os exemplos dados pelo teixeira foram cometidos “em nome de cristo”, aqui é um caso em que a religião é a causa do problema, ao contrário do que disseste anteriormente.

    “Por acaso os Assírios são cristãos. Chegaste a ler o artigo?”

    Devo admitir que li muito por alto, mas agora li um bocado melhor e realmente, no “artigo” diz que os assírios são cristãos. Contudo, como te disse antes (e tu, aparentemente escolheste ignorar) a pessoa que escreve aquilo que tu denominas “artigo” e que não passa de uma carta aberta, não se apresenta como especialista, mas sim como um “Assyrian, a non-Arab, Christian native of the Middle East” quem é esta pessoa e porque escolhes acreditar nela? Eu fiz uma breve pesquisa no google e sobre Peter BetBasoo e realmente encontrei muita coisa sobre assírios mas quem é esta pessoa? Eu posso por na net milhares de coisas sobre a civilização portuguesa, mas isso não me torna um expert.

    “Mas a revolução científica não aconteceu em nenhuma das eras onde eles eram senhores do mundo. A revoluçâo científica aconteceu na europa cristã.”
    Não duvido. Nesta altura a europa era o continente mais rico e poderoso do mundo, é normal (e ainda hoje é) que os avanços científicos surjam nos locais com mais dinheiro. A religião cristã, se fez alguma coisa, foi atrasar o avanço da ciência. Vê, por exemplo o caso do galileu que foi obrigado a retratar-se sob pena de ser queimado vivo. Se a sobra de represálias por parte da elite inquisitorial cristiã não pairasse sobre esses cientistas, talvez tivessem descoberto ainda mais coisas. Mas isso é especulação e nunca saberemos de certeza.

    “O que eu disse é que a revolução científica aconteceu na europa cristã porque o cristianismo Bíblico é uma ideologia amiga da ciência, contrariamente ao que os ateus foram levados a acreditar.”

    Eu nunca afirmei que a religião e a ciência são incompativeis. Aliás, se leres bem o meu primeiro post, vais ver que disse precisamente o oposto.

    Se leres bem o meu primeiro post vais ainda ver uma imensa quantidade de perguntas que não respondeste, porque apenas te focaste na cena dos números serem àrabes.

    Ao contrário do meu amigo roger, eu não estou aqui para te convencer, já percebi que tens idealogias religiosas muito vincadas e que não vais mudar de ideias, apenas estou a tentar ter uma conversa para perceber o teu ponto de vista, uma vez que, sendo ateu, como já te disse acima, não consigo pensar da mesma forma que tu, mas tenho curiosidade para ver como “o teu lado” pensa.

    Abraço

  33. jmct diz:

    Actualmente não sei dizer que existe uma referência de bem ou mal absoluto. E se existe, certamente não é tão abrangente como os conceitos ‘bem’ e ‘mal’.

    Ultimamente tenho definido as coisas como violência. Tenho chegado à conclusão que quando uma pessoa é violenta com os outros é porque não está bem consigo próprio. Acho que é nessa procura da paz interior dentro de cada que reside a resposta. Numa tentiva de sermos completamente livres.

    Gostava apenas de voltar a dizer que espero que o que se esteja a discutir aqui seja religião organizada. Acho que a espiritualidade individual é necessária para essa paz interior. (por espiritualidade não significa que adoremos alguém)

    Um pequeno à parte, pelo que notei em mim e nas pessoas que me rodeiam, quando alguém parece querer desligar-se do mundo e começar a pensar por si, na sua essência na vida, a primeira fronteira que encontra é a religião, com a qual acaba por ter de se enfrentar, quando esse assunto está acente deixa de ser discussão. Ao contrário do que possas pensar Mats, nem toda a gente vive em função de Deus (aceitação ou negação), há quem simplesmente nem se lembre (usei a palavra lembrar propositadamente).

    Continua connosco Mats, o pessoal está a achar interessante.

  34. Mats diz:

    Eu também estou a gostar de “estar” aqui, porque, ao contrário de muitos outros blogs ateus onde expressei a minha opinião, as pessoas com que tenho estado a debater tem-se focado nos argumentos e não na má caracterização das minhas intenções. Isso é de honrar, ao fazê-lo estou a seguir o mandamento Bíblico que diz:

    Romanos 13:7- Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.

    Portanto, fica aqui a minha comendação/honra a quem se foca nos argumentos e não nos ataques pessoais.

    Em relação aos pontos levantados:

    Essa de ver quem é mais mau que o outro é tipo as comparações de balneário… E se falas dos grupos terroristas islâmicos eu só te respondo: “Pois pudera, não é o Ocidente que anda a ser invadido.”

    Supostamente o teu argumento tenta mostrar que a razão pela qual os terrorristas muçulmanos cometem mais de 50% dos ataques terrorristas no mundo (apesar de serem 20% da população mundial) é devido ao facto de serem “invadidos”. E se eu te disser que as guerras santas islâmicas contra os não-muçulmanos començaram ANTES de qualquer “invasão”?

    Essa da revolução ser causada porque foi num ambiente cristão também tem muito que se lhe diga. Disseste uma coisa com muita razão: aconteceu naquela altura porque houve um acumular de conhecimento durante a idade das Trevas. E acrescento ao teu ponto de vista: muito desse conhecimento foi gerado/acumulado/guardado/transmitido pelos monges e ordens cristãs. Agora, que extrapoles isso para que seja uma condição quase sine qua non (repara no quase) é meio absurdo.

    Não, não é. O cristianismo e a ciência são aliados e não inimigas. A visão Bíblica foi o motor da revolução cientifica, embora, claro, tenha havido outras influências não-cristãs.

    Como te disse, a Igreja recompensou essas explosões de conhecimento com uns churrascos. Passo a ligeireza do termo.

    O exemplo que os ateus usam para o “ataque” À ciência feito por cristãos é quase sempre o do Giordano Bruno. O problema claro está é que o Bruno não foi morto APENAS porque era um “cientista” MAS TAMBÉM por era um ocultista.

    E, como também já te referiram, muito conhecimento foi gerado FORA da fé cristã, FORA dos ensinamentos de Cristo.

    Nunca disse o contrário.

    Acho triste colarem o avanço da ciência a uma só religião.

    Não é triste mostrar-se como a fé judaico-cristã motivou o empreendimento científico.

    Voltando ao teu primeiro comentário. Como é que um ateu separa o bem do mal? Da mesma maneira que um cristão separa o bem do mal.

    Com referência a Deus?

    Como já disseram, fora 4, os mandamentos são pura lógica para que uma sociedade possa existir.

    Quem disse que são “pura lógica”? Tu decidiste que são pura lógica, mas o facto de pansares assim não os torna “pura lógica”.

    Eu fui educado pelos meus pais ateus que não devo matar, que não devo roubar, que não devo cobiçar a mulher do próximo.

    E porquÊ é que não deves fazer isso? Quem decidiu que essas coisas são moralmente boas?
    Ainda não viste que qualquer concepção moral que tu promulges, na ausência de Uma Referência Absoluta, é apenas mais uma opinião?

    Eu muito provavelmente rejo-me pelos mesmos ideiais que tu. Mas enquanto tu os conotas à tua educação e crença cristãs, eu simplemente chamo-lhes bom senso. Basicamente, é isso.

    Fazes bem em seguir aquilo que pensas que são os meus ideias, mas vou-te dizer uma coisa: eu não vivo de acordo com a minha moral, porque se o fizesse, eu não seria cristão. Os mesmos maus pensamentos, más inclinações, e maus desejos que o ateu tem, o cristão também têm. Nós não somos anjinhos. A diferença é que na hora de escolher, nós temos Alguém a Quem referenciar como Ponto de Referência Absoluto.

    Quando vejo uma miúda bonita na rua, também eu tenho vontade de mandar um piropo, mas não o faço, não porque eu não queira, mas porque sei que Aquele que me criou e criou a jovem não quer que eu assim aja. A diferença entre mim e ti não é que eu seja melhor que tu (não sou) mas sim que eu tenho forma de justificar em termos absolutos a promoção de um certo comportamento.
    Tu correctamente sabes que há coisas que não se fazem, mas sem Deus, isso são apenas opiniões pessoais tão relevantes como alguém que pensa exactamente o contrário de ti.

    “My feelings as a Christian points me to my Lord and Savior as a fighter. It points me to the man who once in loneliness, surrounded only by a few followers, recognized these Jews for what they were and summoned men to fight against them and who, God’s truth! was greatest not as a sufferer but as a fighter. .. How terrific was His fight for the world against the Jewish poison.” – Queres adivinhar quem disse isto?

    O evolucionista eugenicista Adolf Hitler?

    “Tu não podes falar em “bom” e “mau” sem primeiro dizeres como distingues um do outro em termos absolutos.”

    Eu pessoalmente não acredito no absolutismo do bem e do mal. Como já disse antes.

    ENtão o bem e o mal são relativos, o que suporta a relatividade moral. O que significa é que as concepções morais que tu promoves são tão válidas como alguém que promove exactamente o contrário.

    “Ninguém separou mais pessoas do que o ateu Mao Tse Tung e o ateu José Estaline. Esses dois ateus juntos separaram quase 100 milhões de almas dos seus familiares.” e respostas seguintes.

    Aqui reside o teu erro. Tomas a acção da pessoa com base na religião das pessoas.

    Não é essa a lógica por trás da constante referência Às cruzadas e aos autos de fé?

    Nem o hitlet, nem o estaline, nem o mao tse tung mataram as pessoas que mataram em nome do ateísmo.

    POr acaso, o comunismo é uma ideologia ateísta.

    Nenhum deles fez o que fez para promover uma agenda ateísta mas sim nazi, e comunistas, respectivamente. O facto de eles serem ateus não tem nada a ver com o que eles fizeram.

    Espero que uses a mesma lógica em relação às cruzadas e aos autos de fé.

    Agora, os exemplos dados pelo teixeira foram cometidos “em nome de cristo”, aqui é um caso em que a religião é a causa do problema, ao contrário do que disseste anteriormente.

    Mas no caso de Mao Tse Tung, Stalin e outros ateus, o ateísmo é a força motivadora uma vez que os mesmos eram fortes proponentes do comunismo. O comunismo é uma ideologia ateísta.

    Karl Marx disse: “O comunismo começa onde começa o ateísmo”. Será que Marx se enganou em relação ao Marxismo?

    “Por acaso os Assírios são cristãos. Chegaste a ler o artigo?”

    Devo admitir que li muito por alto, mas agora li um bocado melhor e realmente, no “artigo” diz que os assírios são cristãos. Contudo, como te disse antes (e tu, aparentemente escolheste ignorar) a pessoa que escreve aquilo que tu denominas “artigo” e que não passa de uma carta aberta, não se apresenta como especialista, mas sim como um “Assyrian, a non-Arab, Christian native of the Middle East” quem é esta pessoa e porque escolhes acreditar nela?

    Porque ela providencia evidências e cimenta o seu argumento.

    “Mas a revolução científica não aconteceu em nenhuma das eras onde eles eram senhores do mundo. A revoluçâo científica aconteceu na europa cristã.”
    Não duvido. Nesta altura a europa era o continente mais rico e poderoso do mundo, é normal (e ainda hoje é) que os avanços científicos surjam nos locais com mais dinheiro.

    Não necessariamente. A existência de dinheiro não é garantia de avanços científicos. Vê o caso dos países árabes produtores de petróleo.

    A religião cristã, se fez alguma coisa, foi atrasar o avanço da ciência.

    Isso contradiz as evidências.

    Vê, por exemplo o caso do galileu que foi obrigado a retratar-se sob pena de ser queimado vivo.

    Galileo era um cristão, que se opôs a visão não-cristã do geocentrismo. Infelizmente, a igreja católica da altura tinha aceita a visão helénica do geocentrismo, totalmente não encontrada na Palavra de Deus.

  35. jmct diz:

    Boas. Gostei também da tua atitude Mats, referindo-me agora principalmente às tuas primeiras frase do ultimo post.

    Só para dizer uma coisa. O Ponto de Referencia Absoluto, “que nos separa dos animais” (talvez os cristãos dos ateus) é muitas vezes chamado de altruísmo desinteressado. Penso que é assim. Um dos argumentos dos crentes (não sei se é o teu) é que o altruísmo desinteressado existe apenas no homens e que isso é uma caracteristica que nos aproxima de Deus. Eu agora não tenho aqui nenhuma fonte até porque me vou já deitar. Quando tiver tempo prometo-te encontrar alguma fonte que demonstra que em alguns animais também existe um altruísmo desinteressado.

    O que eu quero dizer (há também um estudo para isso) é que existem regras básicas de lógica de ajuda do próximo e “bondade” (atenção às aspas por favor) que é de algum modo biológica e se reflecte em todas os seres humanos (pelo menos). Eles fizeram um estudo qualquer com aquelas tribos perdidas no tempo e foram essas as conclusões que chegaram. uma vez mais peço desculpa pela falta de fontes, estou a dizer as coisa de memória pelo que li, quando tiver tempo posto isso.

    Abraços

  36. João diz:

    “Supostamente o teu argumento tenta mostrar que a razão pela qual os terrorristas muçulmanos cometem mais de 50% dos ataques terrorristas no mundo (apesar de serem 20% da população mundial) é devido ao facto de serem “invadidos”. E se eu te disser que as guerras santas islâmicas contra os não-muçulmanos començaram ANTES de qualquer “invasão”?”

    Antes mesmo das cruzadas? Além disso, cometem mais de 50% dos ataques terroristas porque são das religiões mais “oprimidas” que por aí há. Ainda ontem li um artigo que dizia: “Se se trocasse a palavra muçulmano pela palavra judeu, não se admitiriam metade das afirmações que se fazem”. Olha o caso recente dos minaretes na Suiça. Ou se vamos a isso, as declarações do Cardeal Patriarca D. José Policarpo há uns meses atrás sobre o casamento com muçulmanos. Por outro lado, se me vais buscar argumentos aos piratas da Somália, aos assassinos do Darfur, etc, aí só te posso argumentar que não é uma questão religiosa mas sim civilizacional.

    “Não, não é. O cristianismo e a ciência são aliados e não inimigas. A visão Bíblica foi o motor da revolução cientifica, embora, claro, tenha havido outras influências não-cristãs.”

    Eu disse que são aliadas. Mas disse que não são dependentes. A visão Bíblica não foi motor nenhum, os cristãos é que a foram. Já te disse: deve-se muito aos católicos cristãos pelo facto das suas universidades e escolas terem preservado e transmitido conhecimento necessário a esta revolução ter acontecido. Já agora designares por A revolução científica, com o artigo definido, é um erro. Houve mais, houve várias, e nem todas sob a égide de Cristo. Todas ou quase todas as descobertas científicas do Renascimento esbarraram contra o cepticismo e repugnação da Igreja. Falaste do outro que era ocultista: quantos não foram catalogados erradamente de tal só porque ousaram opôr-se aos dogmas da época?

    “Não é triste mostrar-se como a fé judaico-cristã motivou o empreendimento científico.”

    O triste é ser-se reducionista e não aceitar que o Islão também motivou bastante esse empreendimento. Ou se formos a isso, as religiões pagãs do passado: egípcios, gregos, romanos…

    “Com referência a Deus?”

    Não, com uma boa dose de sanidade mental. É mau matar, é mau roubar, é mau violar. Se cresces em sociedade adquires estes comportamentos “naturais”. A fé cristã só tos reinforça e dá-lhes um sentido superior. Já agora, ainda no outro dia defendi (e continuo a defender) que a fé em Deus só traz benefícios neste aspecto de ter regrar a vida de uma pessoa. Mas um ateu não é necessariamente um degenerado.

    “E porquÊ é que não deves fazer isso? Quem decidiu que essas coisas são moralmente boas?”

    Decido-o eu, com base no que os meus pais me ensinaram. E se formos à ciência, com base em mecanismos de auto-preservação e entre-ajuda. Li no outro dia um artigo (tentei encontrar mas não o encontro agora) em que se mostrava que as crianças humanas nascem com uma especial capacidade de entre-ajuda e altruísmo.

    “Tu correctamente sabes que há coisas que não se fazem, mas sem Deus, isso são apenas opiniões pessoais tão relevantes como alguém que pensa exactamente o contrário de ti.”

    Vou-te ser sincero e muito directo: o teu Deus para mim também é uma opinião por isso também tens opiniões pessoais. Não leves a mal, mas é só para veres que eu não penso que Deus é algo superior logo esse teu argumento, para mim, não tem qualquer valor. Assim como o meu também não tem para ti🙂

    Se alguém pensa o contrário de mim, então desculpa lá, mas não tem 2 dedos de testa. Ou então teve uma educação muito pervertida. Não matar não é uma opinião pessoal.

    “O evolucionista eugenicista Adolf Hitler?”

    Que aqui se considera cristão?

    “Não é essa a lógica por trás da constante referência Às cruzadas e aos autos de fé?”

    As cruzadas até posso admitir que tenham sido motivadas por questões políticas e económicas. Agora os autos de fé são religiosos.

    “Nem o hitler, nem o estaline, nem o mao tse tung mataram as pessoas que mataram em nome do ateísmo.”
    “Por acaso, o comunismo é uma ideologia ateísta.”

    Mas não foi por serem RELIGIOSOS que eles os mataram. Foi por questões políticas, raciais, etc. Sim, alguns por causa da religião, mas não necessariamente.

    “Karl Marx disse: “O comunismo começa onde começa o ateísmo”. Será que Marx se enganou em relação ao Marxismo?”

    Não, enganou-se em relação ao ateísmo e reduziu-o ao que lhe era útil.

  37. Felisberto muanha diz:

    Em tudo a verdade é para quem crer.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: