The good thing about science

A little story

Encontrei esta história (aqui) e partilho com vocês.

“The Egg” by Andy Weir

You were on your way home when you died.
It was a car accident. Nothing particularly remarkable, but fatal nonetheless. You left behind a wife and two children. It was a painless death. The EMTs tried their best to save you, but to no avail. Your body was so utterly shattered you were better off, trust me.
And that’s when you met me.
“What… what happened?” You asked. “Where am I?”
“You died,” I said, matter-of-factly. No point in mincing words.
“There was a… a truck and it was skidding…”
“Yup,” I said.
“I… I died?”
“Yup. But don’t feel bad about it. Everyone dies,” I said.
You looked around. There was nothingness. Just you and me. “What is this place?” You asked. “Is this the afterlife?”
“More or less,” I said.
“Are you god?” You asked.
“Yup,” I replied. “I’m God.”
“My kids… my wife,” you said.
“What about them?”
“Will they be all right?”
“That’s what I like to see,” I said. “You just died and your main concern is for your family. That’s good stuff right there.”
You looked at me with fascination. To you, I didn’t look like God. I just looked like some man. Or possibly a woman. Some vague authority figure, maybe. More of a grammar school teacher than the almighty.
“Don’t worry,” I said. “They’ll be fine. Your kids will remember you as perfect in every way. They didn’t have time to grow contempt for you. Your wife will cry on the outside, but will be secretly relieved. To be fair, your marriage was falling apart. If it’s any consolation, she’ll feel very guilty for feeling relieved.”
“Oh,” you said. “So what happens now? Do I go to heaven or hell or something?”
“Neither,” I said. “You’ll be reincarnated.”
“Ah,” you said. “So the Hindus were right,”
“All religions are right in their own way,” I said. “Walk with me.”
You followed along as we strode through the void. “Where are we going?”
“Nowhere in particular,” I said. “It’s just nice to walk while we talk.”
“So what’s the point, then?” You asked. “When I get reborn, I’ll just be a blank slate, right? A baby. So all my experiences and everything I did in this life won’t matter.”
“Not so!” I said. “You have within you all the knowledge and experiences of all your past lives. You just don’t remember them right now.”
I stopped walking and took you by the shoulders. “Your soul is more magnificent, beautiful, and gigantic than you can possibly imagine. A human mind can only contain a tiny fraction of what you are. It’s like sticking your finger in a glass of water to see if it’s hot or cold. You put a tiny part of yourself into the vessel, and when you bring it back out, you’ve gained all the experiences it had.
“You’ve been in a human for the last 48 years, so you haven’t stretched out yet and felt the rest of your immense consciousness. If we hung out here for long enough, you’d start remembering everything. But there’s no point to doing that between each life.”
“How many times have I been reincarnated, then?”
“Oh lots. Lots and lots. An in to lots of different lives.” I said. “This time around, you’ll be a Chinese peasant girl in 540 AD.”
“Wait, what?” You stammered. “You’re sending me back in time?”
“Well, I guess technically. Time, as you know it, only exists in your universe. Things are different where I come from.”
“Where you come from?” You said.
“Oh sure,” I explained “I come from somewhere. Somewhere else. And there are others like me. I know you’ll want to know what it’s like there, but honestly you wouldn’t understand.”
“Oh,” you said, a little let down. “But wait. If I get reincarnated to other places in time, I could have interacted with myself at some point.”
“Sure. Happens all the time. And with both lives only aware of their own lifespan you don’t even know it’s happening.”
“So what’s the point of it all?”
“Seriously?” I asked. “Seriously? You’re asking me for the meaning of life? Isn’t that a little stereotypical?”
“Well it’s a reasonable question,” you persisted.
I looked you in the eye. “The meaning of life, the reason I made this whole universe, is for you to mature.”
“You mean mankind? You want us to mature?”
“No, just you. I made this whole universe for you. With each new life you grow and mature and become a larger and greater intellect.”
“Just me? What about everyone else?”
“There is no one else,” I said. “In this universe, there’s just you and me.”
You stared blankly at me. “But all the people on earth…”
“All you. Different incarnations of you.”
“Wait. I’m everyone!?”
“Now you’re getting it,” I said, with a congratulatory slap on the back.
“I’m every human being who ever lived?”
“Or who will ever live, yes.”
“I’m Abraham Lincoln?”
“And you’re John Wilkes Booth, too,” I added.
“I’m Hitler?” You said, appalled.
“And you’re the millions he killed.”
“I’m Jesus?”
“And you’re everyone who followed him.”
You fell silent.
“Every time you victimized someone,” I said, “you were victimizing yourself. Every act of kindness you’ve done, you’ve done to yourself. Every happy and sad moment ever experienced by any human was, or will be, experienced by you.”
You thought for a long time.
“Why?” You asked me. “Why do all this?”
“Because someday, you will become like me. Because that’s what you are. You’re one of my kind. You’re my child.”
“Whoa,” you said, incredulous. “You mean I’m a god?”
“No. Not yet. You’re a fetus. You’re still growing. Once you’ve lived every human life throughout all time, you will have grown enough to be born.”
“So the whole universe,” you said, “it’s just…”
“An egg.” I answered. “Now it’s time for you to move on to your next life.”
And I sent you on your way.

Period.

“Por detrás da gripe A” por António Bagão Félix

Agora que os noticiários já quase não falam da gripe A, surgiu a informação de que os ganhos da indústria farmacêutica por causa e em função desta estirpe (cinco mil milhões de euros, fora a valorização das acções, o que corresponde a cerca de 1,5 vezes o PIB do desgraçado Haiti!) estão sob suspeita do Conselho da Europa que, aliás, vai debater e criar uma comissão para avaliar a pressão que, alegadamente, poderá ter sido exercida sobre a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Compreendo todas as cautelas e prevenções sobre o que se anunciava como uma grave pandemia mundial. É daquelas situações em que mais vale errar por excesso do que por defeito. Mas hoje, face à avaliação parcial que já se pode fazer, estaremos provavelmente perante um claro exagero de previsão. Basta recordar que a OMS chegou a aventar a hipótese de poder haver mais de 70 milhões de mortes e até agora terem-se verificado menos de 13000!

Em Portugal, onde nos foi permanentemente incutido um cenário alarmista e negro, com conferências de imprensa em catadupa “por dá cá aquela palha” e com a previsão de encerramentos temporários desde escolas a fábricas até igrejas e práticas desportivas, houve até agora 83 mortes, valor muito aquém da gripe sazonal (2000 óbitos por ano). Ao menos que esse exagero tenha trazido uma vantagem adicional: a de incitar e habituar as pessoas a uma maior cultura de higiene e profilaxia.

As vacinas e antivirais adquiridos pelos países mais desenvolvidos sobejam por todo o lado. Primeiro por pouca certeza da OMS (duas doses da vacina primeiro e logo a seguir apenas uma), depois porque as pessoas se aperceberam de que a situação não seria tão trágica quanto se previra. Em França, por exemplo, compraram-se 94 milhões de doses e só se usaram 5%! Os grandes beneficiários desta gestão desastrosa foram, de facto, os laboratórios!

Em escala logarítmica, repetiu-se a histeria sanitarista que, nos últimos anos, já se viu com a gripe das aves, a doença das vacas loucas e outros vírus. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Nesta voragem de psicose colectiva, a técnica do pavor não é necessariamente boa conselheira…

Sou dos que pensam que a relação entre a OMS e a indústria da saúde deveria ser mais cristalina e escrutinável. Só por ingenuidade é que se pode achar que não há pressões num sector que move rios de dinheiro e de interesses.

Assim, o que se constata é a uma verdadeira “pandemia de lucro” embora paradoxalmente concentrada, que evidencia como poderosos interesses industriais e económicos são capazes de influenciar os decisores institucionais, os media e, por fim, os políticos.

A gripe A foi, aliás, sempre abordada como um problema de saúde focado nos países do 1º mundo, enquanto continuam a morrer diariamente milhares de pessoas nos países pobres com malária que se pode facilmente prevenir, com cólera e outras afecções evitáveis com um simples soro. Estes problemas, porém, nunca são notícia nem movem a comunidade internacional porque não são economicamente atractivos e lucrativos.

in Económico

Intel quer pôr implantes no cérebro dos utilizadores…em 2020

Esta é uma transcrissão de um artigo publicado no site da Exame Informática. Uma notícia ao qual nós na Ode Triunfante não podiamos ficar alheios, e consequentemente preocupados:

Investigadores da Intel querem utilizar as ondas cerebrais para controlar computadores, televisões e os mais variados gadgets.

Não, não é ficção científica. Investigadores dos laboratórios da Intel em Pittsburgh, Estados Unidos, estão a desenvolver implantes cerebrais que vão permitir controlar uma série de equipamentos. Os cientistas prevêem que os consumidores vão ajustar-se rapidamente à ideia. Aliás, até vão pedi-la visto querem ver-se livres de teclados, ratos ou telecomandos. Também antecipam que as pessoas vão fartar-se dos equipamentos de interface táctil.

Transformar as ondas cerebrais em acções no mundo real requer descodificações muito pesadas e elaboradas. No entanto, os investigadores da Intel já conseguiram, utilizando raios X à actividade cerebral, combinar padrões de actividade com funcionalidades reais. Há ainda um caminho a percorrer. Para os cientistas da Intel são apenas mais 11 anos. Em 2020 os implantes já devem ser uma realidade.

O que acha desta possibilidade? Deixava que lhe colocassem um implante para conseguir mudar os canais da TV só com o pensamento?

Nunca foi tão verdade

The press is our chief ideological weapon.

Nikita Khrushchov (1894-1971), Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética, e Primeiro-ministro da União Soviética

Charlie Chaplin

Citação: John Kenneth Galbraith

“O estudo do dinheiro, a cima de qualquer campo na economia, é aquele em cuja complexidade é usada para disfaçar e ocultar a verdade, não para a revelar”.

John Kenneth Galbraith, economista, autor.

Citações: Bill Bonner

“A economia mundial assenta no consumidor; se este parar de gastar o dinheiro que não tem em coisas que não precisa, estamos feitos.”

Bill Bonner, autor, publicador e colunista em economia e dinheiro.

Citações: Lord Acton

“O assunto que tem passado ao largo dos céculos e que vai ter de ser enfrentado mais cedo ou mais tarde, é o das pessoas contra os bancos.”

Lord Acton, Historiador Inglês.

Citação do mês

Quando uma pessoa sofre um delírio, chama-se ínsanidade. Quando muitas pessoas sofrem um mesmo delírio, chama-se de relígião.

Robert M. Pirsig

Quote – David Rockefeller

Nós estamos agradecidos ao Washington Post, ao NY Times, Times Magazine, e outras grandes publicações cujos directores têm atendido às nossas reuniões e respeitado as suas promessas de discrição por quase 40 anos. Teria sido impossível para nós ter desenvolvido o nosso plano para o mundo se nos tivessem exposto à luz da publicidade durante estes anos.
Mas agora o Mundo está mais sofisticado e preparado para um governo mundial. Uma soberania supra nacional de uma elite intelectual e banqueiros mundais é, certamente, preferível ao uma auto-determinação nacional como foi praticada nos últimos séculos.

– David Rockefeller
Banqueiro Privado
Council on Foreign Relations

Citação – Jon Stewart

Eles mantêm-nos com medo, mas não com medo suficiente para nos fazer parar o que estamos a fazer para pensarmos no que se está a passar.

Jon Stewart

Citação – Quote 1

“Nós deveremos ter um Governo Mundial, quer queiramos quer não. A única pergunta é se o Governo Mundial vai ser alcançado por conquista ou por concentimento.”

– Paul Warburg,
Council on Foreign Relations
Criador do Sistema da Reserva Federal.

Numa carta ao Senado Norte Americano
17/2/1950