Um canhão no cu

O original encontra-se em http://cultura.elpais.com/cultura/2012/08/13/actualidad/1344875187_015708.html
e a tradução em http://www.dinheirovivo.pt/Economia/Artigo/CIECO056741.html?page=0
(foram efectuadas pequenas alterações)

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

Se percebemos bem – e não é fácil, porque somos um bocado tontos –, a economia financeira está para a economia real assim como o senhor feudal está para o servo, como o amo está para o escravo, como a metrópole está para a colónia, como capitalista manchesteriano está para o operário superexplorado. A economia financeira é o inimigo de classe da economia real, com a qual brinca como um porco ocidental com corpo de uma criança num bordel asiático. Esse porco filho da puta pode, por exemplo, fazer com que a tua produção de trigo se valorize ou desvalorize dois anos antes de a teres semeado. Na verdade, pode comprar-te, sem que tu saibas da operação, uma colheita inexistente e vendê-la a um terceiro, que a venderá a um quarto e este a um quinto, e pode conseguir, de acordo com os seus interesses, que durante esse processo delirante o preço desse trigo quimérico dispare ou se afunde sem que tu ganhes mais caso suba, ainda que vás à merda se baixar. Se o baixar demasiado, talvez não te compense semear, mas ficarás endividado sem ter o que comer ou beber para o resto da tua vida e podes até ser preso ou condenado à forca por isso, dependendo da região geográfica em que tenhas caído, ainda que não haja nenhuma segura. É disso que trata a economia financeira.

Para exemplificar, estamos a falar da colheita de um indivíduo, mas o que o porco filho da puta geralmente compra é um país inteiro e ao preço da chuva, um país com todos os cidadãos dentro, digamos que com gente real que se levanta realmente às seis da manhã e se deita à meia-noite. Um país que, da perspectiva do terrorista financeiro, não é mais do que um tabuleiro de jogos no qual um conjunto de bonecos Playmobil andam de um lado para o outro como se movem os peões no Jogo da Glória.

A primeira operação do terrorista financeiro sobre a sua vítima é a do terrorista convencional: o tiro na nuca. Ou seja, retira-lhe todo o carácter de pessoa, coisifica-a. Uma vez convertida em coisa, pouco importa se tem filhos ou pais, se acordou com febre, se está a divorciar-se ou se não dormiu porque está a preparar-se para uma competição. Nada disso conta para a economia financeira ou para o terrorista económico que acaba de pôr o dedo sobre o mapa, sobre um país, este no caso, pouco importa, e diz “compro” ou diz “vendo” com a impunidade com que aquele que joga Monopólio compra ou vende propriedades imobiliárias a fingir.

Quando o terrorista financeiro compra ou vende, converte em irreal o trabalho genuíno de milhares ou milhões de pessoas que antes de irem para a labuta deixaram no infantário público, onde ainda existem, os seus filhos, também eles produto de consumo desse exército de cabrões protegidos pelos governos de meio mundo mas superprotegidos, é claro, por essa coisa a que temos chamado de Europa ou União Europeia ou, mais simplesmente, Alemanha, para cujos cofres são desviados neste preciso momento, enquanto lê estas linhas, milhares de milhões de euros que estavam nos nossos cofres.

E não são desviados num movimento racional, justo ou legítimo, desviam-se num movimento especulativo promovido por Merkel com a cumplicidade de todos os governos da chamada zona euro. Tu e eu, com a nossa febre, os nossos filhos sem infantário ou sem trabalho, o nosso pai doente e sem ajudas, com os nossos sofrimentos morais ou as nossas alegrias sentimentais, tu e eu já fomos coisificados por Draghi, por Lagarde, por Merkel, já não temos as qualidades humanas que nos tornam dignos da empatia dos nossos semelhantes. Somos agora mera mercadoria que pode ser expulsa do lar de idosos, do hospital, da escola pública, tornámo-nos algo desprezível, como esse pobre tipo a quem o terrorista, por antonomásia, está prestes a dar um tiro na nuca em nome de Deus ou da pátria.

A ti e a mim, estão a pôr nos carris do comboio uma bomba diária chamada prémio de risco, por exemplo, ou juros a sete anos, em nome da economia financeira. Avançamos com rupturas diárias, massacres diários, e há autores materiais desses atentados e responsáveis intelectuais dessas acções terroristas que passam impunes entre outras razões porque os terroristas vão a eleições e até ganham, e porque há atrás deles importantes grupos mediáticos que legitimam os movimentos especulativos de que somos vítimas.

A economia financeira, se começamos a perceber, significa que quem te comprou aquela colheita inexistente era um cabrão com os documentos certos. Terias tu liberdade para não vender? De forma alguma. Tê-la-ia comprado ao teu vizinho ou ao vizinho deste. A actividade principal da economia financeira consiste em alterar o preço das coisas, crime proibido quando acontece em pequena escala, mas encorajado pelas autoridades quando os valores são tamanhos que transbordam dos gráficos.

Aqui alteram o preço das nossas vidas a cada dia sem que ninguém resolva o problema, pior, enviando as forças da ordem contra quem tenta fazê-lo. E, por Deus, as forças da ordem empenham-se a fundo na protecção desse filho da puta que te vendeu, por meio de um roubo autorizado, um produto financeiro, ou seja, um objecto irreal no qual tu investiste as poupanças reais de toda a tua vida. O grande porco vendeu-lhe fumaça com o amparo das leis do Estado que são as leis da economia financeira, já que estão ao seu serviço.

Na economia real, para que uma alface nasça, há que semeá-la e cuidar dela e dar-lhe o tempo necessário para se desenvolver. Depois, há que a colher, claro, e embalar e distribuir e facturar a 30, 60 ou 90 dias. Uma quantidade imensa de tempo e de energia para obter uns cêntimos que terás de dividir com o Estado, através dos impostos, para pagar os serviços comuns que agora nos são retirados porque a economia financeira tropeçou e há que tirá-la do buraco. A economia financeira não se contenta com a mais-valia do capitalismo clássico, precisa também do nosso sangue e está nele, por isso brinca com a nossa saúde pública e com a nossa educação e com a nossa justiça da mesma forma que um terrorista doentio, passe a redundância, brinca enfiando o cano da sua pistola no rabo do seu sequestrado.

Há já quatro anos que nos metem esse cano pelo rabo. E com a cumplicidade dos nossos.

Anúncios

Caso BPN explicado a tótós: Uns ganharam dinheiro e outros perderam. Uns estão presos e outros não.

200 paises, 200 anos, em 4 minutos

O vídeo que vos mostrarei de seguida, representa um excerto do documentário “The Joy of Stats” da BBC, no qual Hans Rosling mostra-nos de forma bastante apelativa a evolução da riqueza e esperança de vida de 200 países durante os últimos 200 anos.

Ler mais deste artigo

Wikileaks

Muito rapidamente porque estou aqui no trabalho e nao tenho mais tempo.

que acham deste saqueio do Wikileaks?

Sabem de algum link para sacar toda a informacao?

Acham que os jornais estao a escondernos informacao?

Ate breve, desculpem os erros, mas estou num teclado Ingles.

best of socrates (2009 – 2010)

ehehe,

deixo-vos com o post d’O Vigia onde encontrei o vídeo.

O mal de tudo isto é que eu acredito que o Sócrates não tinha mesmo intenção nenhuma de aumentar os impostos.. pois nada disso é mesmo controlado por ele. Ontem ao ver o The Euro – The Facts apercebi-me como realmente os países da Zona Euro não são mesmo mais países. Tal como temos diferentes autarquias com diferentes partidos a governar e com diferentes dialectos em cada cidade de Portugal, agora temos diferentes países com diferentes governos a falar diferentes línguas mas todos governados baixo o mesmo estado económico, o Banco Central Europeu. Ou engano-me? Não estou a dizer que isto é mau ou bom, estou apenas a referir o que é. Sendo assim não temos mesmo mais controlo na nossa economia nem nas nossas contas. Estar o PS o PSD ou um copo de plástico a governar Portugal vai dar ao mesmo, pois governar só mesmo no papel.

Penso que é isso que ainda não nos apercebemos, que Portugal já não existe como país, e que isto de eleições e partidos é tudo fantochada de primeira linha.

Em relação ao Euro – The Facts, comecei ontem a trabalhar na legendagem da coisa. Espero dentro em breve conseguir ter isso legendado para postar, penso que vai ser bom correr isso por Portugal. Se houver algum entusiasta que me queira ajudar na tradução eu estou a trabalhar em .srt é só enviarem um mail. Obrigado.

Até breve 😀

BP falsifica imagens referentes ao desastre do Golfo do México

A imagem acima foi colocada dia 19 no site da BP. Tanta gente a trabalhar tão afincadamente para pararem o derrame de petróleo que já dura à 3 mêses. Agora reparem com um um pouco mais de atenção. PHOTOSHOPPED!!!!

Se têem dúvidas reparem:

No dia seguinte como se não chegasse saiu mais esta também no site da BP:

A foto entitulada de “View of the MC 252 site from the cockpit of a PHI S-92 helicopter 26 June 2010,” A primeira mostra de que é uma foto “fabricada” é a torre de controlo no canto superior esquerdo da foto:

Passamos directamente para o mar, onde esta muda abruptamente de cor, fica ofuscado, e existem navios a desaparecerem misteriosamenteo:

Mais um indicio da existencia de má montagem na fotografia:

E por último, o helicóptero aparenta estar a sobrevoar os barcos, mas os indicadores no painel, demonstram que a porta está aberta e o trem de aterragem estão em baixo, assim como o “travão de mão” ligado, sem falar de que o piloto tem na mão o lista de procedimentos a realizar antes do vôo:

Quinta feira, as fotos foram retiradas do site, e a BP oficiosamente disse que as tinha manipulado mas não deixa de ser mais uma mancha negra na pouca credibilidade que a empresa ainda tem hoje em dia.

Andam a tapar o sol com a peneira… Alguém ouviu ou viu estas fotos nos circulos noticiosos os últimos dias?

Fonte e Fonte

Débito nacional por paises

A menina que calou o mundo em 5 minutos

Sevem Suzuki, representou aqui nesta conferencia internacional a entidade não governamental ECO (Environmental Children’s Organization) que na altura tinha apenas 4 membros. Ela e mais 3 amigas…

Este episódio ocoreu durante a Conferencia das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), realizada entre 3 e 14 de Junho de 1992 no Rio de Janeiro. O evento contou com a presença de 172 governos e 108 chefes de estado, e ainda com a repesentação de 2400 ONG’s e 17000 pessoas. Desta conferencia resultou um tratado chamado Agenda 21 que visa o combate aos impactos que um Homem tem no meio ambiente.

O que se tem feito sobre isto desde então?

NADA

Vejam o vídeo, ele fala por sí só…

Terramotos – HAARP – Chile e outros

Já todos estamos a par do sismo que ocorreu recentemente no Chile. Ainda esta noite as terras voltaram a tremer.

Uma das grandes questões volta a surgir, terá a HAARP algum relacionamento com este sismo?

Hoje vou fazer um post um pouco grande e reunir alguma informação que recolhi.

Vou começar com um posto do Blog OVigia.

————— Blog OVigia: Andam a ‘brincar’ com a HAARP? —————

Como continuo a achar que demasiadas coincidências o deixam de ser por isso mesmo deixo aqui esta pequena entrada.

Apesar do principio lógico da Navalha de Occam nos dizer que “a explicação para qualquer fenómeno deve assumir apenas as premissas estritamente necessárias à explicação do fenómeno e eliminar todas as que não causariam qualquer diferença aparente nas predicções da hipótese ou teoria.”, não deixa de ser pertinente pensar que todos estes sismos poderão ter explicações que não apenas as naturais, ainda para mais quando William S. Cohen, ex-Secretário de Defesa de Bill Clinton fez afirmações deste teor “Others are engaging even in an eco- type of terrorism whereby they can alter the climate, set off earthquakes, volcanoes remotely through the use of electromagnetic waves.”

Para além do sismo que varreu há semanas o Haiti, seguem-se agora o Chile e a Argentina.

Ler mais deste artigo

Bancos americanos dão uma “ajudinha” à Grecia

Depois de a Grécia já estar na mira dos líderes europeus, por andar a falsificar as estatísticas do défice orçamental para 2009, desencadeando assim um descalabro económico na dívida pública que esta a por em causa o próprio euro, desta vez, a descoberta foi o uso de operações complexas com o apoio dos lobbys de Wall Street.

As transacções denominadas de “Swaps” são produtos derivados assentes em contratos que podem ser de moeda ou mesmo activos financeiros, estes produtos financeiros podem ser usados para protecção ou simplesmente como investimento especulativo como foi o caso da recente crise económica mundial em que foram usados como ‘activos tóxicos’. Nos ‘swaps’ ambas as partes comprometem-se a pagar a oscilação da taxa de juro ou do valor do activo que lhe esteja associado.

Basicamente os bancos emprestavam dinheiro ao governo para este demonstrar nas comissões europeias que estava bem financeiramente de forma a poder manter o défice nos 3.0 e assim não receber sanções por parte da Europa.

Segundo noticia o NYTIMES estas transações já aconteceram em 2001 para apoiar a Grécia a entrar no mercado único do Euro.

De volta à SIDA, será apenas mais uma mentira?

Já debatemos aqui algumas vezes o assunto da SIDA. Será a SIDA apenas mais uma “False Flag”, mais um esquema para gerar milhões?

Relembrem-se que a SIDA significa Síndroma da Imunideficiência Adquirida, pelo que qualquer deficiência do sistema imunitário pode ser qualificado como SIDA.

No documentário SIDA La Duda foi posta em causa a equação SIDA = HIV.

Fica-nos a questão no ar, será que o HIV causa mesmo SIDA? Será que a SIDA é assim tão mortal? Ou será que são as vacinas ‘anti-SIDA’ que estão a matar as pessoas? Em relação a este ponto já saltamos para outro campo.

Já encontrei na net muitos posts e páginas a falar sobre este assunto, sobre veracidade da propaganda SIDA, para ser honesto ainda não tive tempo para os explorar todos. Com tempo irei publicando aqui.

Hoje em mais uma das minhas visitas no site Rafapal dei com esta notícia no site Pravda.ru

Deixo-vos com uma tradução da notícia [realce por mim, tradução Google Translator + toque pessoal].

A humanidade está enfrentando uma nova ameaça da gripe suína. Alguns anos antes, a gripe aviaria e a Sars causaram pânico em todo o mundo. A SIDA esteve no topo da lista de “doenças assustadoras” por trinta anos.

Onde estão os milhões de vítimas da SARS e gripe das aves? Onde está a deserta África supostamente condenada à extinção total pela SIDA? Gor Shirdel, médico de origem irlandesa, que atualmente pratica em Kiev, curou dois pacientes com SIDA.

Ler mais deste artigo

The Venus Project – de 1760

Todos nós conhecemos de alguma forma o The Venus Project uma organização cujo objectivo melhorar a sociedade, construindo cidades sustentáveis , usando energia de forma eficiente, gerindo os recursos naturais da Terra, usando automação avançada, focando nos benefícios que tudo isto trará à sociedade. (Existem outros projectos semelhantes: The New Z-Land, e uma no Dubai que não me recordo o nome)

O que nós não conhecemos é que em 1760 várias missões jesuitas no interior da amazónia tinham como objectivo criar uma sociedade semelhante em tudo a estes projectos acima referidos. Em dada altura chegaram a contar com sessenta povoações habitadas por cerca de vinte mil famílias de indigenas. A sua percursão na sociedade de então era tal que os governadores coloniais de então se dirigiam a elas em forma de solicitão, e não de ordem.

Em cada missão estava no comando um membro da ordem, que era tutelado pelos líderes da missão. Esse comandante tinha o apoio um tenente corregedor, um alferes real, quatro regedores, um alcaide primeiro, um alcaide segundo, um alcaide da Irmandade, um alguazir-mor, um procurador e um secretário. Todos estes cargos eram exercidos por indigenas, já que era proibido que fossem exercidos por outros não nativos das aldeias.

Cada indígena tinha então um lugar na sociedade, e dedicava 6 horas por dia ao seu trabalho, as populações eram assim auto-suficientes. Desde a manutenção ao vestuário, passando pela fabricação de livros, ou orgãos musicais e alimentos necessários para todos.

Estas missões tornaram is indíos Guaranis (nome da tribo onde era feita esta experiencia) em pessoas pacíficas, infelizmente após saida da tutela dos missionários, esqueceram tudo aquilo que tinham aprendido até então voltando à sua vida anterior.

Este facto pouco conhecido do público em geral é a prova de que visões utópicas como a do The Venus Project ou The New Z-land, são situações que podem ser encaradas com grande realidade e como um caminho pela qual a sociedade em que vivemos hoje em dia devia de olhar com outros olhos e pensar seriamente naquilo que é ai proposto

Mais pistas sobre o possível atentado em Vancouver 2010

Há poucos dias deixei aqui no blog uma entrada sobre uma suposta mensagem subliminar escondida no filme “2012”. A suposta mensagem subliminar indicar-nos-ia um acontecimento que se viria a conhecer como “British Culombia 2010”, referir-se-ia aos Jogos Olímpicos de Vancouver 2010?

Fica aqui um texto do Rafapal onde são listados acontecimentos no mínimo estranhos que apontam para um possível evento desolador no decorrer dos Jogos.

http://www.rafapal.com/?p=3908

ADVERTENCIA: Ahora creo que tengo motivos razonables para poner en sospecha de que puede haber un ataque terrorista de “falsa bandera” durante los Juegos Olímpicos de Canadá, que tendrá lugar en Vancouver y Whistler del 12 de febrero hasta el 28 de febrero. He compilado la siguiente actividad sospechosa que he encontrado a través de diversas fuentes de medios de comunicación. No voy a profundizar en cada punto pero trataré de dar la mejor información posible , algunas de ellas también proviene de mis propias fuentes.
SEÑALES DE ADVERTENCIA:

Ler mais deste artigo

Ricardo Salgado tem pena de receber menos em 2010…

E agora uma história nacional.

Esta tarde Ricardo Salgado, Presidente do BES afirmou que a banca nacional teve um “comportamento espectacular nesta crise. Compreendo que o Estado queira moralizar a acção dos banqueiros. Mas hoje, passado um ano, é possível distinguir o trigo do joio” e disse ter pena que “o Estado português tenha agravado os impostos à banca”.

“Tenho pena que o Estado português tenha tomado esta decisão”, diz Salgado sobre a tributação dos prémios dos gestores. A proposta do Orçamento Geral do Estado para 2010, apresentada ontem pelo Governo, propôe um agravamento da carga fiscal para a banca em vários níveis. Uma taxa autónoma de IRC de 35% e um imposto de 50% dos bónus dos banqueiros atribuídos em 2010 são algumas das propostas em cima da mesa.

Salgado alertou para o risco de inconstitucionalidade e fuga de gestores para países que não adoptaram essa medida.
O Banco Espírito Santo (BES) fechou 2009 com um lucro líquido 522 milhões de euros, número acima das projecções dos analistas.

Defacto 522 milhões de euros dão para comprar muito trigo…

“Por detrás da gripe A” por António Bagão Félix

Agora que os noticiários já quase não falam da gripe A, surgiu a informação de que os ganhos da indústria farmacêutica por causa e em função desta estirpe (cinco mil milhões de euros, fora a valorização das acções, o que corresponde a cerca de 1,5 vezes o PIB do desgraçado Haiti!) estão sob suspeita do Conselho da Europa que, aliás, vai debater e criar uma comissão para avaliar a pressão que, alegadamente, poderá ter sido exercida sobre a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Compreendo todas as cautelas e prevenções sobre o que se anunciava como uma grave pandemia mundial. É daquelas situações em que mais vale errar por excesso do que por defeito. Mas hoje, face à avaliação parcial que já se pode fazer, estaremos provavelmente perante um claro exagero de previsão. Basta recordar que a OMS chegou a aventar a hipótese de poder haver mais de 70 milhões de mortes e até agora terem-se verificado menos de 13000!

Em Portugal, onde nos foi permanentemente incutido um cenário alarmista e negro, com conferências de imprensa em catadupa “por dá cá aquela palha” e com a previsão de encerramentos temporários desde escolas a fábricas até igrejas e práticas desportivas, houve até agora 83 mortes, valor muito aquém da gripe sazonal (2000 óbitos por ano). Ao menos que esse exagero tenha trazido uma vantagem adicional: a de incitar e habituar as pessoas a uma maior cultura de higiene e profilaxia.

As vacinas e antivirais adquiridos pelos países mais desenvolvidos sobejam por todo o lado. Primeiro por pouca certeza da OMS (duas doses da vacina primeiro e logo a seguir apenas uma), depois porque as pessoas se aperceberam de que a situação não seria tão trágica quanto se previra. Em França, por exemplo, compraram-se 94 milhões de doses e só se usaram 5%! Os grandes beneficiários desta gestão desastrosa foram, de facto, os laboratórios!

Em escala logarítmica, repetiu-se a histeria sanitarista que, nos últimos anos, já se viu com a gripe das aves, a doença das vacas loucas e outros vírus. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Nesta voragem de psicose colectiva, a técnica do pavor não é necessariamente boa conselheira…

Sou dos que pensam que a relação entre a OMS e a indústria da saúde deveria ser mais cristalina e escrutinável. Só por ingenuidade é que se pode achar que não há pressões num sector que move rios de dinheiro e de interesses.

Assim, o que se constata é a uma verdadeira “pandemia de lucro” embora paradoxalmente concentrada, que evidencia como poderosos interesses industriais e económicos são capazes de influenciar os decisores institucionais, os media e, por fim, os políticos.

A gripe A foi, aliás, sempre abordada como um problema de saúde focado nos países do 1º mundo, enquanto continuam a morrer diariamente milhares de pessoas nos países pobres com malária que se pode facilmente prevenir, com cólera e outras afecções evitáveis com um simples soro. Estes problemas, porém, nunca são notícia nem movem a comunidade internacional porque não são economicamente atractivos e lucrativos.

in Económico